Botao share

terça-feira, 4 de julho de 2017

O PT É CADA UM DE NÓS!

- Por um partido democrático, combativo e vitorioso -

 
As quase quatro décadas de existência do Partido dos Trabalhadores são motivo de destaque na vida política nacional. Na verdade, a história do PT se confunde com a própria história da redemocratização do Brasil e a sua participação decisiva neste processo.

Numa avaliação franca e direta podemos dizer que tanto os acertos como os erros ocorridos durante a redemocratização do país também se refletiram na vida partidária do PT. Para além disso temos no momento atual de refletir e tomar decisões sobre o sério risco que corre a nossa jovem democracia, devido ao autoritarismo, os desmandos e a supressão de direitos praticados de maneira inescrupulosa pelo atual governo golpista e ilegítimo.
 
A experiência democrática vivida pelo Brasil nos levou à Presidência da República pelos braços e votos do povo brasileiro por quatro vezes consecutivas. E tais conquistas nos propiciaram realizar grandes projetos nacionais em benefício dos mais pobres deste imenso país. Nunca é demais relembrar que promovemos, através dos governos Lula e Dilma, o fim da exclusão social para milhões de cidadãos e cidadãs brasileiras que sempre foram postos à margem pelas elites. Uma vida mais digna para esta grande população de excluídos somente foi possível com a criação do Bolsa Família, além de projetos exitosos como o Minha Casa Minha Vida, que propiciou moradias dignas aos mais pobres. Na educação e na saúde promovemos o acesso popular ao ensino superior, algo impensável décadas atrás, e a extensão do atendimento médico às comunidades carentes através de programas como o Mais Médicos e a ampliação das especialidades pelo SUS. Só para citar algumas das muitas conquistas em 13 anos de governos petistas. 

Porém, lamentavelmente, o relevante legado dos governos Lula e Dilma está virando pó. O país assiste, quase que impassível, o fim de programas sociais importantíssimos que receberam destaque mundial, além da ameaça diária aos direitos e avanços sociais alcançados desde 2003. Por essas razões do ponto de vista dos projetos que foram avaliados interna e externamente, o Brasil ganhou projeção e respeito no cenário internacional. 

Por outro lado, as pretensões do governo ilegítimo demonstram ser realmente uma ponte para o abismo. O tal ajuste fiscal baixado pelo governo golpista tem se revelado apenas uma coisa para inglês ver, pois o déficit está cada dia maior e a própria admissão do ministro da Fazenda de que poderá haver aumento de impostos já demonstra o fracasso deste projeto neoliberal. Some-se a isto os mais de 13 milhões de desempregados, além da baixa da inflação forçada por uma recessão brutal jamais vista na história do país e não pela queda dos preços dos produtos essenciais. Tudo isto tem levado a uma profunda desconfiança neste desgoverno, tanto por parte do povo como de setores empresariais que apoiaram o golpe. Para não falar da grave denúncia de corrupção da Procuradoria Geral da República contra o presidente usurpador. O Brasil perdeu a sua solidez econômica, implementada a partir do governo Lula e elogiada pelas maiores lideranças mundiais.  

Daí a tão esperada e urgente reinserção do PT no cenário político brasileiro. Neste caso, o grande desafio para nós é reorganizar nossas ações, em conjunto com as demais forças políticas e os movimentos sociais, para retornarmos ao centro do poder, com o objetivo maior de resgatar a democracia e o exercício da cidadania, hoje abalado pela ditadura à paisana promovida por aqueles que derrubaram o governo Dilma e usurparam cinicamente o poder. 
 
Mas, para isso, é necessário olhar para dentro da nossa organização partidária. Não é possível mais que petistas, dirigentes e militantes, não se conscientizem da nossa missão principal que é servir sempre ao Partido e não ser servidos por ele. Temos que defender os interesses e objetivos do PT e não querer usar o Partido como instrumento para fazer valer os nossos interesses e projetos pessoais e de grupos. Somos e devemos ser soldados do Partido.
 
E isto vale também para os companheiros e companheiras da nossa corrente, a Construindo um Novo Brasil (CNB). Aqueles que já fazem parte dela e os que estão chegando agora devem carregar consigo esta consciência. A nossa corrente interna deve manter a sua posição de centro-esquerda e contribuir de forma efetiva para a reorganização do PT. Do contrário, é bom que se diga que temos no universo da política brasileira dezenas de siglas partidárias que servirão muito bem aos propósitos daqueles que não tem o senso de servir ao PT, mas sim se servir do PT.  
 
Outro alerta oportuno que deve ser feito aqui diz respeito a uma possível tentativa de diluição do PT em frentes amplas e movimentos. O nosso partido é muito maior do que isto e já provou o seu poder de mobilização em outras situações adversas. O zum-zum-zum mesquinho dentro do próprio partido de que “o PT se tornou uma coisa sem futuro” deve ser abominado por todos nós.
 
Gosto sempre de lembrar que tanto o PT quanto a CNB são cada um de nós. Não existem e nem devem existir divindades com superpoderes que decidam sobre os rumos a serem tomados, de maneira personalista e autoritária. Passou a época de o Partido insistir em fazer uma gestão verticalizada, chegou a hora de escutar a militância e definir as suas ações de maneira horizontalizada. Precisamos também fazer uma profunda reflexão a respeito dos erros ora cometidos para evitar que os mesmos se repitam, e assim fazer com que o nosso partido volte a ter a credibilidade que foi perdida em grande parte. Vale observar que nas interlocuções com a população e agora confirmado pela pesquisa do Datafolha, o PT está reconquistando alguns pontos no índice de simpatia partidária que já nos destacou em um passado recente, quando chegou a ter 30% neste quesito. Também outra pesquisa do Datafolha divulgada no início desta semana mostra que a população vem se identificando novamente com as ideias políticas de esquerda.
 
É sempre bom deixar claro que nenhum de nós chegará a dirigente, deputado/a, senador/a, governador/a e a Presidente da República se não contar com a militância de um/a filiado/a que levanta a bandeira do Partido, seja nas metrópoles ou nos grotões do Brasil.
 
A esperança em torno da reorganização da nossa ação política se renova com a posse da primeira mulher presidenta da história do PT, a combativa senadora Gleisi Hoffmann, e também dos novos membros do Diretório Nacional que ocorrerá esta semana, que espero que seja um marco divisório entre os momentos difíceis que estamos passando.
 
A esta direção legitimamente renovada caberá o desafio de, com o apoio e a disposição da nossa sempre aguerrida militância, coordenar as ações de maneira democrática, reorganizar o Partido e conduzi-lo à vitória em 2018.

 

Vamos, juntos, continuar a construir um PT democrático, combativo e vitorioso!

Abaixo o ódio e a intolerância em relação à política e entre brasileiros.

Francisco Rocha da Silva, Rochinha
Coordenador Nacional da CNB

Nenhum comentário:

Postar um comentário