Botao share

terça-feira, 18 de julho de 2017

O LEGADO PETISTA E A TRAGÉDIA PÓS-GOLPE

O que foi o Brasil durante 13 anos dos governos Lula e Dilma e o caos atual no governo golpista


Já registrei aqui antes que o imenso legado dos governos petistas de Lula e Dilma está sendo totalmente destruído pelo governo golpista e ilegítimo que hoje comanda o país. Mas nunca é demais relembrar.

Entre as tantas mazelas provocadas pelos usurpadores do poder popular está a extinção do Ministério da Cultura e de outros órgãos essenciais para o exercício da cidadania, além dos direitos individuais e coletivos que estão sob constantes ameaças e os programas sociais anteriormente implementados que hoje estão praticamente dizimados.

Na economia prega-se uma melhoria ilusória e a redução da inflação, graças a uma brutal recessão jamais vista em nosso país. A receita só encolhe cada vez mais e os golpistas já planejam o aumento de impostos para conter o desastre. E a indústria na verdade não tem consistência no tal crescimento que eles pregam, pois quando surge um dado reativo, o que se vê é a total retração em outro. O setor de serviços está estagnado e a construção civil praticamente paralisada no país.  E a taxa de empregos que durante os governos petistas chegou a atingir 200 mil / mês, hoje ficou reduzidas a apenas 9 mil / mês. Enquanto isso, o salário dos trabalhadores vai sendo corroído e o seu poder de compra diminui cada vez mais.

Como a memória de muitos é curta, principalmente daqueles que atacam o PT, quando se fala em legado é sempre bom relembrar os avanços e conquistas do povo brasileiro durante os governos Lula e Dilma.

Listei aqui algumas dezenas de programas, projetos e iniciativas dos nossos governos.

Confiram:

01) FIES
02) Pronatec
03) Prouni
04) Ciência sem Fronteiras
05) Mais Médicos
06) Farmácia Popular
07) Minha Casa, Minha Vida
08) Bolsa Família
09) Cisternas no sertão
10) Luz para Todos
11) Transposição do Rio São Francisco
12) Reativação do Transporte Ferroviário
13) Ferrovia Norte-Sul
14) Ferrovia Transnordestina
15) Aumento do salário mínimo acima da inflação
16) Água para Todos
17) Brasil Sorridente
18) Pronaf
19) FAT
20) Programa Brasil Sem Miséria
21) Bolsa Atleta
22) Bolsa Estiagem
23) Bolsa Verde
24) Bolsa-escola
25) Brasil Carinhoso
26) Pontos de Cultura
27) Programa Biodiesel
28) SUS
29) SAMU
30 Saúde da Família
31) FGEDUC (Seguro do FIES)
32) Casa da Mulher Brasileira
33) Aprendiz na Micro e Pequena Empresa
34) MEI Microempreendedores Individuais
35) Pagamento da Dívida Externa ao FMI
36) Empréstimo ao FMI
37) BRICS
38) Retirada pela ONU do Brasil do Mapa da Fome
39) Reequipagem, Valorização e Autonomia da Polícia Federal
40) Liberdade para a PGR
41) Liberdade para o MP
42) Escolha para os órgãos da Justiça dos primeiros das listas das corporações
43) Jogos Pan-americanos
44) Copa do Mundo
45) Olimpíadas
46) 98 conferências nacionais de 43 áreas, como educação, juventude, saúde, cidades, mulheres, comunicação, direitos LGBT, entre outras.
47) Orçamento para a Cultura cresceu de R$ 276,4 milhões em 2002 para R$ 3,27 bilhões em 2014
48) Vale-cultura
49) Programa Cultura Viva
50) Programa Mais Cultura nas Escolas
51) PND - Política Nacional de Defesa - Investimentos em defesa cresceram dez vezes: de R$ 900 milhões em 2003 para R$ 8,9 bilhões em 2013
52) Participação das FFAA em 11 missões militares de paz da ONU
53) Projeto Submarino Nuclear
54) Modernização da frota de aeronaves da FAB com transferência da tecnologia
55) Pré-sal
56) Redução de 79% do desmatamento da Amazônia brasileira
57) Aumento em mais de 50% da extensão total de área florestal protegida.
58) Liderança mundial em redução de emissão de gases de efeito estufa (GEE). Entre 2010 e 2013, o Brasil deixou de lançar na atmosfera uma média de 650 milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano.
59) Valorização do polo naval
60) Refinaria Abreu e Lima
61) Novas usinas hidrelétricas: Teles Pires, Belo Monte, São Manoel, Santo Antônio, Jirau, São Luiz do Tapajós
62) Conferência Mundial Rio+20
63) PPP
64) PAC
65) Aumento exponencial do parque eólico brasileiro
66) Polos de desenvolvimento NE: Suape PE, Pecém CE e Camaçari BA: Investimentos somam cerca de R$ 100 bilhões.
67) Fim do descaso em relação aos índios e quilombolas

E por aí vai...  Sem contar as inúmeras parcerias realizadas entre o Governo Federal e os Governos Estaduais e Municipais durante todo este período.

Pois bem, façamos aqui uma ironia: se o PT “roubou tanto” que tinha dinheiro para todos estes programas e projetos e ainda deixou um caixa de US$ 400 bilhões, por que agora que a direita tomou o poder acabou o dinheiro??!!! Mas que belos princípios a direita tem!? E como a Esquerda rouba!

Para quem nos provoca perguntando: O que os governos do PT fizeram? respondemos como a mesma ironia: Pouca coisa, não?!

Francisco Rocha da Silva – Rochinha
Coordenador Geral da CNB

quinta-feira, 13 de julho de 2017

LULA: O GRANDE LÍDER MUNDIAL

Não pensem que usando da arbitrariedade da injustiça e do ódio vai nos abater.
VENCEREMOS!!!

 

 


quarta-feira, 12 de julho de 2017

DO IMPEACHMENT AO BRASIL LEVADO AO CAOS


- Um novo golpe que se aproxima -



O país assiste a mais uma estratégia conspiratória montada por alguns dos mesmos golpistas que derrubaram a presidenta Dilma Rousseff da Presidência da República, agora com o objetivo de apear do poder o também golpista e traidor Michel Temer.

O plano, engendrado por tucanos e demos, é substituir Temer pelo atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia, outro nome citado em várias delações, sendo que um dos delatores chegou a dizer que entregou dinheiro vivo ao próprio mais em seu apartamento no Rio de Janeiro.

Assim como no processo de impeachment de Dilma, o plano maligno tem o apoio da poderosa Rede Globo e de parte da velha mídia que apoiou o primeiro golpe e agora se prepara para apoiar um segundo. Tanto é que Maia já teria até se reunido secretamente com o vice-presidente de relações institucionais das Organizações Globo. O acordão para o novo golpe já está pronto.

São os mesmos golpistas de sempre, aqueles que, juntamente com grande parte do empresariado antinacionalista, derrubaram um governo legitimamente eleito pelo povo brasileiro para barrar os avanços populares conquistados durante 13 anos de governos petistas.

E é sempre bom recordar que, apesar do silêncio da imprensa e da falta de memória da sociedade, tudo começou com as chamadas pautas-bombas comandadas pelo golpista e corrupto Eduardo Cunha à frente da Câmara dos Deputados

Outra ironia na história do golpe contra Dilma é que até mesmo alguns membros do Tribunal de Contas da União que votaram pela reprovação das contas de Dilma também foram acusados de corrupção em delações.

Hoje, o governo antipopular de Michel Temer, juntamente com a cúpula dos corruptos que lhe rodeia, assim como o ministro Meirelles, vende vento à população ao afirmar que a economia está a todo vapor, quando as análises corretas dos dados do IBGE indicam que a economia não saiu do lugar.

E a reforma trabalhista, aprovada pelo Congresso, tinha e teve o apoio sobretudo daqueles empresários que são congressistas tanto na Câmara como no Senado, e daqueles que estão fora dele, mas que sempre sustentaram a onda conservadora que tomou conta do conjunto do Congresso

É bom que se repita que os programas sociais que beneficiaram principalmente a juventude negra e pobre nas áreas da educação e do acesso à cidadania estão sendo destruídos. E os 14 milhões de trabalhadores desempregados ainda estão sobrevivendo minimamente às custas dos direitos sociais conquistados nos governos anteriores do PT.

Enquanto o país assiste espantado a uma série de desmandos, o Supremo Tribunal Federal faz o papel de mero espectador frente às violações de direitos e às ameaças contra a democracia e a Constituição.

Os grandes responsáveis por esta tragédia nacional são o PMDB, que vem de vários e vários governos sempre agarrado ao poder, e o PSDB que não se conforma de forma alguma em ficar de fora deste poder. Por isso, os ministros tucanos que estão no governo golpista de Temer são contra abandona-lo. O ex-presidente Fernando Henrique já enviou carta ao presidente ilegítimo lhe exortando a renunciar e até se recusou a participar de um encontro com ele, mas os tucanos ainda continuam em cima do muro. Mas mantém a sua ânsia neoliberal e aprovam todas as medidas propostas contra a classe trabalhadora.

Mas esta crise não será resolvida se o atual sistema político não for reformado. Esta sim é a reforma necessária e urgente. A população brasileira não mais acredita na representação política que tem no Congresso e os partidos políticos também tem que passar por uma reforma profunda para mudarem o seu comportamento ético.

Nos resta torcer para que surjam novos atores, que não sejam ou se proponham a ser “salvadores da pátria”, mas sim lideranças jovens com projetos transparentes e propostas de renovação da política brasileira. E que ajudem a retomar a construção de país mais justo, solidário e igualitário, interrompida pelo golpe parlamentar contra o PT.

Francisco Rocha da Silva, RochinhaCoordenador Nacional da CNB

terça-feira, 4 de julho de 2017

O PT É CADA UM DE NÓS!

- Por um partido democrático, combativo e vitorioso -

 
As quase quatro décadas de existência do Partido dos Trabalhadores são motivo de destaque na vida política nacional. Na verdade, a história do PT se confunde com a própria história da redemocratização do Brasil e a sua participação decisiva neste processo.

Numa avaliação franca e direta podemos dizer que tanto os acertos como os erros ocorridos durante a redemocratização do país também se refletiram na vida partidária do PT. Para além disso temos no momento atual de refletir e tomar decisões sobre o sério risco que corre a nossa jovem democracia, devido ao autoritarismo, os desmandos e a supressão de direitos praticados de maneira inescrupulosa pelo atual governo golpista e ilegítimo.
 
A experiência democrática vivida pelo Brasil nos levou à Presidência da República pelos braços e votos do povo brasileiro por quatro vezes consecutivas. E tais conquistas nos propiciaram realizar grandes projetos nacionais em benefício dos mais pobres deste imenso país. Nunca é demais relembrar que promovemos, através dos governos Lula e Dilma, o fim da exclusão social para milhões de cidadãos e cidadãs brasileiras que sempre foram postos à margem pelas elites. Uma vida mais digna para esta grande população de excluídos somente foi possível com a criação do Bolsa Família, além de projetos exitosos como o Minha Casa Minha Vida, que propiciou moradias dignas aos mais pobres. Na educação e na saúde promovemos o acesso popular ao ensino superior, algo impensável décadas atrás, e a extensão do atendimento médico às comunidades carentes através de programas como o Mais Médicos e a ampliação das especialidades pelo SUS. Só para citar algumas das muitas conquistas em 13 anos de governos petistas. 

Porém, lamentavelmente, o relevante legado dos governos Lula e Dilma está virando pó. O país assiste, quase que impassível, o fim de programas sociais importantíssimos que receberam destaque mundial, além da ameaça diária aos direitos e avanços sociais alcançados desde 2003. Por essas razões do ponto de vista dos projetos que foram avaliados interna e externamente, o Brasil ganhou projeção e respeito no cenário internacional. 

Por outro lado, as pretensões do governo ilegítimo demonstram ser realmente uma ponte para o abismo. O tal ajuste fiscal baixado pelo governo golpista tem se revelado apenas uma coisa para inglês ver, pois o déficit está cada dia maior e a própria admissão do ministro da Fazenda de que poderá haver aumento de impostos já demonstra o fracasso deste projeto neoliberal. Some-se a isto os mais de 13 milhões de desempregados, além da baixa da inflação forçada por uma recessão brutal jamais vista na história do país e não pela queda dos preços dos produtos essenciais. Tudo isto tem levado a uma profunda desconfiança neste desgoverno, tanto por parte do povo como de setores empresariais que apoiaram o golpe. Para não falar da grave denúncia de corrupção da Procuradoria Geral da República contra o presidente usurpador. O Brasil perdeu a sua solidez econômica, implementada a partir do governo Lula e elogiada pelas maiores lideranças mundiais.  

Daí a tão esperada e urgente reinserção do PT no cenário político brasileiro. Neste caso, o grande desafio para nós é reorganizar nossas ações, em conjunto com as demais forças políticas e os movimentos sociais, para retornarmos ao centro do poder, com o objetivo maior de resgatar a democracia e o exercício da cidadania, hoje abalado pela ditadura à paisana promovida por aqueles que derrubaram o governo Dilma e usurparam cinicamente o poder. 
 
Mas, para isso, é necessário olhar para dentro da nossa organização partidária. Não é possível mais que petistas, dirigentes e militantes, não se conscientizem da nossa missão principal que é servir sempre ao Partido e não ser servidos por ele. Temos que defender os interesses e objetivos do PT e não querer usar o Partido como instrumento para fazer valer os nossos interesses e projetos pessoais e de grupos. Somos e devemos ser soldados do Partido.
 
E isto vale também para os companheiros e companheiras da nossa corrente, a Construindo um Novo Brasil (CNB). Aqueles que já fazem parte dela e os que estão chegando agora devem carregar consigo esta consciência. A nossa corrente interna deve manter a sua posição de centro-esquerda e contribuir de forma efetiva para a reorganização do PT. Do contrário, é bom que se diga que temos no universo da política brasileira dezenas de siglas partidárias que servirão muito bem aos propósitos daqueles que não tem o senso de servir ao PT, mas sim se servir do PT.  
 
Outro alerta oportuno que deve ser feito aqui diz respeito a uma possível tentativa de diluição do PT em frentes amplas e movimentos. O nosso partido é muito maior do que isto e já provou o seu poder de mobilização em outras situações adversas. O zum-zum-zum mesquinho dentro do próprio partido de que “o PT se tornou uma coisa sem futuro” deve ser abominado por todos nós.
 
Gosto sempre de lembrar que tanto o PT quanto a CNB são cada um de nós. Não existem e nem devem existir divindades com superpoderes que decidam sobre os rumos a serem tomados, de maneira personalista e autoritária. Passou a época de o Partido insistir em fazer uma gestão verticalizada, chegou a hora de escutar a militância e definir as suas ações de maneira horizontalizada. Precisamos também fazer uma profunda reflexão a respeito dos erros ora cometidos para evitar que os mesmos se repitam, e assim fazer com que o nosso partido volte a ter a credibilidade que foi perdida em grande parte. Vale observar que nas interlocuções com a população e agora confirmado pela pesquisa do Datafolha, o PT está reconquistando alguns pontos no índice de simpatia partidária que já nos destacou em um passado recente, quando chegou a ter 30% neste quesito. Também outra pesquisa do Datafolha divulgada no início desta semana mostra que a população vem se identificando novamente com as ideias políticas de esquerda.
 
É sempre bom deixar claro que nenhum de nós chegará a dirigente, deputado/a, senador/a, governador/a e a Presidente da República se não contar com a militância de um/a filiado/a que levanta a bandeira do Partido, seja nas metrópoles ou nos grotões do Brasil.
 
A esperança em torno da reorganização da nossa ação política se renova com a posse da primeira mulher presidenta da história do PT, a combativa senadora Gleisi Hoffmann, e também dos novos membros do Diretório Nacional que ocorrerá esta semana, que espero que seja um marco divisório entre os momentos difíceis que estamos passando.
 
A esta direção legitimamente renovada caberá o desafio de, com o apoio e a disposição da nossa sempre aguerrida militância, coordenar as ações de maneira democrática, reorganizar o Partido e conduzi-lo à vitória em 2018.

 

Vamos, juntos, continuar a construir um PT democrático, combativo e vitorioso!

Abaixo o ódio e a intolerância em relação à política e entre brasileiros.

Francisco Rocha da Silva, Rochinha
Coordenador Nacional da CNB

segunda-feira, 20 de março de 2017

Cármen Lúcia é recebida com protesto antes de palestra na PUC-MG

Estadão Conteúdo
Hoje em Dia - Belo Horizonte





Cerca de 50 manifestantes faziam protesto na manhã desta segunda-feira (20), em frente à Pontifícia Universidade de Minas Gerais (PUC-MG) onde a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, profere palestra pela manhã.

Na entrada da universidade, a ministra passou por faixas questionando o posicionamento do STF em relação ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), e ouviu gritos de "golpista". Dentro do auditório, no entanto, Cármen Lúcia foi aplaudida em pé.

A ministra faz palestra em aula inaugural da Faculdade Mineira de Direito (FMD), da PUC, da qual é professora licenciada. O título da palestra é "O Papel do Supremo Tribunal Federal na Consolidação da Democracia"


segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

A trama da Globo e Globo News sobre Lula, Dilma e o PT esta semana

Alerta aos petistas e simpatizantes

Fontes de dentro da própria Rede Globo e da Globo News fizeram chegar ao nosso conhecimento uma trama urdida pela direção da emissora do mal contra Lula, Dilma e o PT na perspectiva de os três serem citados na delação da Odebrecht que será divulgada esta semana pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal.

A emissora do mal criou uma força tarefa que encaminhará a Brasília para acompanhar a divulgação do conteúdo dos delatores. A ordem da direção é que se porventura os nomes de Lula, Dilma e do PT serem citados na lista dos delatares, a prioridade será interromper toda e qualquer programação das emissoras para colocar no ar edições especiais, tipo plantão nacional, dando ênfase total aos nomes de Lula, Dilma e do PT. E a partir daí criar um clima de escândalo que envolva os petistas para com isso diluir os nomes de figurões do PSDB, PMDB e de outros partidos que deverão constar do listão da Odebrecht.

Cabe aos petistas, filiados e simpatizantes, ficarem alertas e recordar o que a emissora do mal fez em relação ao Lula e ao PT nas eleições de 89, quando ela violou a lei eleitoral e divulgou uma montagem falsa do debate entre Lula e Collor no segundo turno da disputa presidencial. E também não se esquecer do sequestro do empresário Abílio Diniz quando ela expôs os sequestradores vestidos com camisetas do PT, forçados para tal pela Polícia Federal.

Poderia aqui citar vários outros casos ardilosos dessa rede de televisão ungida pela ditadura militar e que presta um desserviço ao Brasil.

Fiquemos atentos.