Botao share

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Sem adesão de novos grupos, público que ocupa Paulista segue homogêneo

O público que foi à avenida Paulista no domingo (16) se manteve homogêneo em comparação com o que protestou contra o governo em abril, sem a adesão de novos grupos.
FRONTEIRA
A conclusão é de pesquisa coordenada pelos professores Esther Solano, da Unifesp, e Pablo Ortellado, da USP, e pela pesquisadora Lucia Nader, da Open Society. "O movimento não consegue agregar pessoas e grupos sociais com pautas diferentes", diz Esther. Dos 390 entrevistados, 57% são homens, 64% têm ensino superior e 73% se declaram brancos. Para ela, o protesto é "socialmente excludente" e a periferia não se identifica com ele.
COMPASSO
Outra constatação: os participantes não têm um perfil tão neoliberal quanto os líderes que convocam os atos. "O público quer a presença do Estado e que ele forneça serviços básicos", afirma Esther. Para 89% das pessoas, o Estado deve prover serviços de saúde para todos os brasileiros. E 72% concordam que ofereça transporte coletivo.
COMPASSO 2
Enquanto 99% consideram "graves" o escândalo da Lava Jato e o do mensalão, ambos relacionados ao PT, 87% dizem o mesmo das denúncias de cartel no metrô de SP e 80% fazem essa avaliação sobre o mensalão do PSDB. Dilma Rousseff é corrupta para 89% dos entrevistados; Aécio Neves, para 38%; Eduardo Cunha, para 70%; Geraldo Alckmin, para 42%. E a maioria diz que Jair Bolsonaro não é corrupto.
DE CAMAROTE
Chiquinho Scarpa, que acompanhou a manifestação na varanda de um prédio comercial que pertence à sua família na avenida Paulista, destoava do coro. "Não defendo impeachment nem renúncia. Acho que a Dilma deve continuar, mas precisa melhorar o governo dela", dizia, com um charuto na mão. O protesto, exemplo de "democracia", deveria servir de alerta para a presidente, afirmava.
CARDÁPIO
Aviso sonoro no início da nova peça do ator Fulvio Stefanini faz piada com a crise: "Este espetáculo teria o patrocínio da Petrobras, mas misteriosamente o dinheiro sumiu". E o locutor também atira contra a Prefeitura de SP. Ele anuncia que a montagem é estrelada pelos americanos Al Pacino e Jack Nicholson, "que não chegaram devido à redução de velocidade permitida nas marginais".
CARDÁPIO 2
E, na sessão de sábado (15) de "Não Sou Bistrô", em cartaz em Perdizes, Fulvio disse à plateia que o espetáculo do dia seguinte estava confirmado, "mesmo com a passeata [contra o governo], que por sinal é muito saudável". Fonte

Nenhum comentário:

Postar um comentário