Botao share

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

IBGE divulga pesquisas de indicadores sociais de várias áreas entre 2002 até 2012 e constata avanço em todas as áreas.

Brasil avança em educação e saúde; saneamento ainda é gargalo, diz IBGE

por PEDRO SOARES DO RIO

Apesar de persistirem problemas na área social com a elevada desigualdade e a alta informalidade do mercado de trabalho, o Brasil experimentou entre 2002 e 2012 avanço em indicadores de educação, proteção social e saúde. A melhora em saneamento e distribuição da renda, por seu turno, foi mais lenta.
Esse quadro surge dos dados da Síntese de Indicadores Sociais, divulgada nesta sexta-feira (29) pelo IBGE. O estudo traçou o percentual da população sem acesso a diretos assegurados pela legislação e, em todos, a situação se mostrou mais favorável.
É o caso da educação. O percentual das pessoas sem completar 8 anos de estudo --a lei prevê esse tempo mínimo na escola-- caiu de 38,5% em 2002 para 30,6% em 2012. Já o total de pessoas excluídas do sistema de proteção social (sem contribuir para instituto de previdência ou aposentadoria ou fora de programas de transferência de renda) recuou de 23,2% para 11,3%.
Um quarto dos brasileiros tinha plano de saúde em 2012, diz IBGE
Um em cada cinco jovens não trabalhava nem estudava em 2012, segundo IBGE
Homens jovens saem mais tarde de casa, diz IBGE
Já o contingente de pessoas sem o acesso a serviços básicos (saneamento, coleta de lixo, abastecimento de água e iluminação) cedeu de 39,9% para 31,6% de 2002 para 2012.
Para a presidente do IBGE, Wasmália Bivar, o país ainda tem um longo percurso a trilhar, mas teve "um avanço significativo" nos últimos anos. Ela destacou especialmente a área de educação, com a expansão da matrícula de crianças de 4 a 5 anos na escola _que aumentou de 56,7% do total em 2002 para 78,2% em 2012.
Bivar disse, porém, que é preciso criar estímulos para manter os adolescentes em idade para cursar o ensino médio no sistema de ensino, pois o grupo que sofre o assédio do mercado de trabalho. "O rendimento cresceu e proporciona maior oferta de vagas para esse grupo. Precisamos estar atentos para manter os jovens na escola."
Nessa faixa (15 a 17 anos), a taxa de matrícula cresceu de 81,5% para 84,2%. Outro gargalo, segundo ela, é a oferta de creches, cujo aumento não foi suficiente para suprir a necessidade das mães de deixarem seus filhos sob cuidados de uma instituição do Estado. O percentual de crianças de 0 a 3 com frequência à creche subiu de 11,7% para 21,2% de 2002 para 2012.
A expansão da rede de creches, diz, é uma das alternativas para combater o problema das mulheres que nem trabalham nem estudam _elas correspondem a 70,3% desse grupo chamado de "nem-nem".
Para Márcio Salvato, professor do Ibmec, o Brasil "trilhou um caminho excelente" na direção da evolução dos indicadores sociais, mas boa parte do avanço só foi possível porque a "base era muito ruim" e o país apresentava . O Brasil, diz, ainda está distante de chegar no padrão de nações desenvolvidas e no caso de saúde e educação a qualidade dos serviços precisa melhorar.
Apesar da expansão dos alunos em sala de aula, afirma, o atraso escolar melhorou, mas se mantém em "níveis inaceitáveis". Há ainda uma presença baixa e incompatível com a intenção brasileira de se tornar um país de elevada renda per capita, diz, de pessoas no ensino médio e no ensino superior _cuja participação na faixa até 24 anos subiu 9,8% para 15,1% de 2002 a 2012.
A presidente do IBGE ressaltou ainda o crescimento do rendimento e da formalização do mercado de trabalho, mas ressalvou que a desigualdade é um "processo histórico" no país e ainda persiste em níveis elevados.
Pelos dados do instituto, o rendimento dos 10% mais ricos (R$ 6.017 em 2012) é 12,6 vezes superior à renda da parcela dos 40% mais pobres (R$ 478). O cálculo considera todas as pessoas com idade para trabalhar (15 anos ou mais).
O ponto negativo, diz, ainda é o saneamento, que demanda pesados investimentos.

Meu comentário.

IBGE divulga pesquisas de levantamento de indicadores sociais de 2002 até 2012 e constata avanço em todas as áreas.

Apesar da pregação da mídia aonde tenta induzir o pessimismo aos brasileiros, o IBGE na sua amostragem de 2002 à 2012 constata avanços positivos nas áreas de educação saúde e previdência social e mostra avanços significativos nas áreas de saneamento básico, abastecimento de água , energia elétrica e coleta de lixo. Esta é mais uma prova de que o governo de Lula e Dilma governa o Brasil para todos os brasileiros e não para 30% dos brasileiros como fazia o governo dos tucanos. É fundamental que avancemos com mais agilidade em todas as áreas especialmente na coleta  de lixo, abastecimento de água e, saneamento e tratamento de esgoto e iluminação elétrica. Se faz mais urgente avançarmos na questão da infra estrutura do país, tendo como prioridade as rodovias, os portos e aeroportos, devemos-nos ater com prioridade absoluta a questão da reforma agraria, legalização dos quilombolas, agricultura familiar e a produção e renda dos trabalhadores brasileiros, especialmente daqueles mais necessitados.
Avante o Brasil, avante os governos do PT.

Nenhum comentário:

Postar um comentário