Botao share

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

RECADO DO RUI FALCÃO


Companheiro e companheira


            No dia 10 de novembro estaremos realizando o primeiro turno do PED. Nas cidades em que ocorrer segundo turno a nova votação será no dia 24. Portanto, em poucos dias, estaremos finalizando mais esta etapa na vitoriosa trajetória do Partido dos Trabalhadores. O PT, mais uma vez, elege todos os seus dirigentes partidários através do voto direto e ainda inova com a inclusão obrigatória de cotas de gênero, étnica e de jovens em suas instâncias em todos os níveis.

            Neste curto recado quero, respeitosamente, me dirigir a cada companheiro e a cada companheira, não como o dirigente do partido. Quero me colocar na posição de candidato a Presidente e, respeitando todos os companheiros concorrentes, pedir o seu voto, o seu apoio e a sua ajuda para que a minha candidatura seja vitoriosa na disputa pela Presidência do PT Nacional.

            A história e a conjuntura colocam diante de nós desafios imediatos. Temos que defender o nosso legado, diante dos constantes ataques que sofremos. E, como principal força política de sustentação do governo da Presidenta Dilma, temos que mostrar nossos avanços, defender nossos governos, compará-los com o passado e apontar novos caminhos para o país continuar crescendo, distribuindo renda e diminuindo as desigualdades sociais.

            Nesse PD temos também enfrentado uma dura e saudável disputa interna. Em debates francos, abertos à militância - seja na forma presencial, seja pela participação através da internet – estamos praticando transparência, democracia interna e deixando explícitas nossas diferenças com a maioria dos partidos políticos que decidem seus destinos em torno de uma mesa de bar, com três ou quatro dirigentes.

            O PT tem enormes desafios pela frente e, creio, meu nome possui as credenciais necessárias para merecer sua confiança e ser referendado para conduzir nossa sigla nos próximos anos. Quero, nessas horas finais, conclamar a você companheiro, a você companheira. Vamos envidar todos os esforços para que este seja o PED mais participativo da história do PT. A força do PT é a sua militância.

Procure outros filiados, outros militantes, outros dirigentes e vamos buscar, voto a voto, uma expressiva presença no dia da votação e uma vitória ainda mais expressiva para o nosso nome e para as chapas que nos apóiam nos estados e nos municípios de todo o país.

Um fraterno abraço do

Rui Falcão

            

terça-feira, 29 de outubro de 2013

PED 2013: Jorge Coelho convoca militância para apoiar Reforma Política e de Democratização da Mídia.

Vídeo de Apoio - PED PT

Valtair Candidato a Presidente Estadual do PT do Amazonas - AM
video


Bruno Ribeiro Candidato a Presidente do PT de Pernambuco PE
video


Gilza Batista Candidata a Presidente do Diretório Municipal do PT de Manaus AM
video



sexta-feira, 25 de outubro de 2013

PELEJA PELA SEGUNDA VIA




Por: Francisco Rocha e Joaquim Cartaxo

      Até bem como pouco tempo, o PSB fazia parte da coalizão que está governando o Brasil, desde 2003, com resultados aplaudidos internacionalmente. O PSB contribuiu com a elaboração deste projeto desde a Frente Brasil Popular em 1989; participou de sua implantação nos governos Lula e Dilma ocupando ministérios e os seus governos estaduais se beneficiaram dessa prerrogativa, em especial o governador Eduardo Campos e seu governo de Pernambuco.
      O presidente nacional do PSB, governador Eduardo Campos, argumentou para explicar e justificar a saída da coalizão de centro-esquerda que governa o Brasil, há dez anos, que é preciso quebrar a polarização da disputa PT x PSDB, segundo o governador, nociva ao país. Denominou o PSB de terceira via com a tarefa de romper a essa polarização, sem nominar a primeira e segunda via, mas declarando relações de não-ataque ao PSDB no processo eleitoral de 2014. Em outras palavras, os socialistas do PSB querem dizer o seguinte: quero ocupar teu lugar PSDB na polarização com o PT, e precisarei de você para juntos derrotarmos Lula, Dilma e seus aliados.
      Desse modo, a tal terceira via propagandeada pelo ex-aliado do projeto de centro esquerda, Lula, Dilma e aliados.  Eduardo Campos, e a ex-petista, Marina Silva, que aderiu ao PSB depois de não conseguir viabilizar seu partido, não passa de um movimento eleitoral com dois desejos: ocupar o lugar do PSDB na polarização com o PT e, ao mesmo tempo, tentar derrotar Lula, Dilma e seus aliados no curto (2014) ou no médio prazo (2018), auxiliados pelos tucanos e outras forças conservadoras.
      Do ponto de vista do exercício da democracia, Eduardo e Marina quererem ser presidentes do Brasil é legítimo; enquanto ex-participantes do projeto democrático-popular é necessário aguardar que discordâncias objetivas e que políticas para realizá-las oferecerão ao Brasil, porque as idéias para o desenvolvimento do país precisam ser apresentadas com possibilidades de serem reais.
      Quanto ao PT e seus aliados disputarão a eleição de 2014 com o PSDB e o PSB que tudo indica serão os principiais adversários. Já os tucanos terão que lutar acirradamente com o PSB para permanecer no lugar de segunda via; o PSB, por sua vez, lutará ferozmente para ocupar a via do PSDB. Além dessa peleja entre si, os dois querem vencer o PT na eleição do próximo ano. Assim, terceira via é uma coisa e outra coisa é outra coisa.
             

A caminho da vitória.

Companheiros e companheiras da chapa "O Partido que Muda o Brasil". Encaminho textos para leitura, reflexão e discussão.





quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Vídeo de Apoio - PED - PT


Roberto Felício 
Candidato a Presidente do diretório Municipal do PT de Piracicaba SP
video


terça-feira, 22 de outubro de 2013

Marina no Roda Viva: Mais perdida do que biruta de aeroporto.


No Programa Roda Viva,  a ex candidata a Presidência da República em 2010, Marina Silva mais uma vez, falou até pelos cotovelos, misturando alhos com bugalhos. Começou discorrendo sobre o terceiro plano  que foi a ida dela para o PSB do DUDU MALVADEZA, depois de desfazer a REDE. Disse que não foi na condição de  candidata mas se comporta e se apresenta nos meios de comunicação como pretensa presidenciável. Disse ainda que não discutiu candidatura com o DUDU MALVADEZA, e que defende um projeto programático e não pragmático. 
        Não adianta Marina querer fugir de  propalados temas  "polêmicos",  que para nós, são comuns, do cotidiano da política. Temas que fazem parte das suas concepções e trajetória, tais como:Aborto, LGBTs, religião entre outros.  Para quem fez uma longa carreira politico eleitoral no Partido dos Trabalhadores, (deputada estadual, senadora por 16 anos, ministra durante 7 anos...) a ex-candidata Marina Silva parece que de pragmatismo ela é escolada, tentado enganar os eleitores, com um discurso totalmente contraditório, para quem ostenta tamanha trajetória eleitoral. Se de fato for verdade que o seu objetivo não é ser presidente e sim discutir ideias e "lutar para que o Brasil seja melhor", ela não deveria ter se bandeado rumo ao conservadorismo. Na minha opinião ela deveria reconhecer o histórico de realizações e lutas do PT, dos governos Lula e Dilma  e do campo democrático e progressista que ela conviveu por mais de 25 anos. Quem mudou: o PT ou a Marina?

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Vídeos de apoio - PED PT



Sheila Oliveira Candidata a Presente PT Recife
video


Paulo Fiorilo Candidato a Presidente PT Capital SP
video


Emidio de Souza Candidato Presidente PT SP
video


Apolonio Brasileiro Candidato Presidente PT Belém
video


Charliton Machado Candidato Presidente PT Joao Pessoa
video


Lucélio Cartaxo Candidato Presidente PT PB
video

Reunião com Jefferson Lima Secretário Nacional da Juventude do PT, Lelo Purine e Vivan Mendes da Juventude do PT Coletivo Graúna - CNB




Reunião com o companheiro Julian Rodrigues

Reunião com o companheiro Julian Rodrigues da corrente Esquerda Popular e Socialista - EPS - onde discutimos a conjuntura nacional, política para a diversidade nas administrações do PT e na sociedade. Boa reunião.

Encontro do Rochinha com Sheila Oliveira e Bruno Ribeiro, ambos do PT de Pernambuco, hoje em São Paulo.

Um agradável momento de alegria e de prazer no meu encontro, hoje em São Paulo, com a companheira Sheila Oliveira, candidata a presidenta do PT do Recife e o companheiro Bruno Araújo, candidato a presidente estadual do PT de Pernambuco.


Apoio a companheira Sheila de Oliveira, candidata a presidenta Diretório Municipal de Recife.


Aproxima-se a data da eleição do PED, que vai eleger os dirigentes municipais, estaduais e nacionais do PT em todo o Brasil. Aproveito  este momento para fazer um pedido especial aos companheiros e companheiras petistas filiados em Recife. 

No dia 10 de novembro, votem em massa na companheira SHEILA DE OLIVEIRA, ela é a minha candidata a presidenta do PT no Diretório Municipal de Recife.

Conheço a companheira há muitos anos e admiro a sua luta em prol do PT e das lutas sociais. A companheira Sheila, merece o nosso voto. 


quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Chapas e Teses inscritas para o PED 2013



Oito chapas estão inscritas para participar do PED 2013. A comissão de Organização Eleitoral se reunirá no dia primeiro de agosto para analisar se todas as chapas cumpriram adequadamente os critérios de inscrição: distribuição em, pelo menos, nove estados; paridade de gênero; cota de geração e etnia, além do tempo mínimo de filiação partidária. Todos os filiados e filiadas devem quitar suas contribuições partidárias através do SACE. 

Veja abaixo quais são as chapas e as teses inscritas para participar do PED 2013:

210 – Constituinte por Terra Trabalho e Soberania
Representantes:
Markus Sokol, Maria Emilia Sedeh Boito e Pascoalina Souza Silva
Clique aqui para ver a chapa
Clique aqui para ver a tese
220 – A esperança é Vermelha
Representantes:
Valter Ventura da Rocha Pomar, Licio Gonzaga Lobo Junior e Rosana Ramos da Conceição
Clique aqui para ver a chapa
Clique aqui para ver a tese
240 – Mensagem ao Partido
Representantes:
Carlos Henrique Árabe, Arlete Sampaio e Henrique Fontana
Clique aqui para ver a chapa
Clique aqui para ver a tese
250 – Partido é para todos
Representantes:
Romênio Pereira, Maria Aparecida de Jesus e Sheila Oliveira
Clique aqui para ver a chapa
Clique aqui para ver a tese
260 – Contraponto Socialista
Representantes:
Jutai Moraes de Jesus, Maria Teresa de Aguiar Notari e Richard Widmark Matheus Tinoco
Clique aqui para ver a chapa
Clique aqui para ver a tese
270 – Militancia Socialista Virar a Esquerda
Representantes:
Gilney Amorim Viana, Renato Simões e Maristella Victor de Matos
Clique aqui para ver a chapa
Clique aqui para ver a tese
280 – O Partido que muda o Brasil
Representantes:
Francisco Rocha da Silva, Jorge Luiz Cabral Coelho e José Américo Dias
Clique aqui para ver a chapa
Clique aqui para ver a tese
290 – Virar a Esquerda e reatar com o Socialismo
Representantes:
Caio Dezorzi, José Carlos Miranda e Wanderci Silva Bueno
Clique aqui para ver a chapa
Clique aqui para ver a tese
A chapa “Pela Unidade do PT” solicitou o cancelamento do seu registro.

Candidatura de Marina pode provocar 2º turno


Se as eleições presidenciais fossem realizadas hoje, Dilma Rousseff (PT) poderia vencer no primeiro turno em qualquer um dos cenários pesquisados, aponta a pesquisa Vox Populi/CartaCapital. Quando o candidato do PSB é o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, a petista tem mais votos que a soma de seus adversários. Quando o nome pessebista é a ex-senadora Marina Silva, a vantagem de Dilma sobre os rivais fica dentro da margem de erro e, portanto, não é possível afirmar a vitória no primeiro turno.
Com Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) na disputa, Dilma teria 43% das intenções de voto, contra 20% do tucano e 10% de Campos. Neste cenário, 18% dos eleitores votariam em nulo ou em branco e 10% se dizem indecisos.
No cenário com José Serra (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), o quadro é semelhante. Dilma fica com 42%, Serra tem 21% e Eduardo Campos tem 12%. A quantidade de votos brancos e nulos soma 17% e a de indecisos, 8%.
Uma possível candidatura da ex-senadora Marina Silva (PSB) altera os cenários. Em vez do candidato tucano, quem vai para o segundo turno é a ex-senadora. Numa disputa com Dilma Rousseff e Aécio Neves, Marina tem 23%, contra 41% da petista e 17% do tucano. Os indecisos são 6% e os brancos/nulos, 13%.
No quarto cenário, Dilma tem 41% das intenções de voto, contra 21% de Marina Silva e 19% de José Serra. Os indecisos são 6% e os votos brancos/nulos, 13%.
A pesquisa Vox Populi/CartaCapital entrevistou 2,2 mil eleitores em 179 municípios entre 11 e 13 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para cima ou para baixo.





quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Os tucanos do estado de São Paulo e a mistura alhos com bugalhos.

Os tucanos do estado de são paulo no que toca ao escandalo de corrupção, trens, metrô, Ashton entre outros, misturam alhos com bugalhos. Na verdade a corrupção é do estado, não é individualizado a este ou aquele funcionário.

terça-feira, 15 de outubro de 2013


PED 2013: Rochinha apoia Eraldo no Rio Grande do Norte


 
PED 2013: Rochinha apoia Davi Barros em Fortaleza






PED 2013: Rochinha apoia De Assis no Ceará


sábado, 12 de outubro de 2013

Sobre a pesquisa Datafolha

Mais uma vez o Instituto Datafolha com o seu comportamento de camaleão tenta confundir a NÓS leitores e eleitores, faz aferição no campo de pesquisa de dois nomes que pelo menos no momento não são candidatos, a ex candidatada Marina Silva e o Serra bolinha de papel. O intuito é chafurdar o processo político.

Com Campos e Aécio, Dilma vence eleição no primeiro turno

Pesquisa Datafolha realizada nesta sexta (11) mostra que a presidente Dilma Rousseff seria reeleita no primeiro turno se disputasse a eleição contra os dois candidatos mais prováveis do PSDB e do PSB, o tucano Aécio Neves e o socialista Eduardo Campos. Nessa simulação, Dilma tem 42% das intenções de voto; Aécio, 21%; Campos,15%. Brancos, nulos ou nenhum somam 16%. Outros 7% não sabem em quem votar. O instituto testou quatro cenários para a eleição presidencial de 2014, alternando os nomes de Campos e Marina Silva, pelo PSB, e os de Aécio e José Serra, pelo PSDB. Editoria de Arte/Folhapress Nas outras três combinações, Dilma não teria uma quantidade suficiente de votos para garantir vitória no primeiro turno. No simulação em que a disputa aparece mais apertada, a petista alcança 37% das intenções de voto, Marina marca 28%, Serra alcança 20%. Trata-se, porém, justamente do cenário mais improvável da eleição, já que os principais líderes do PSB e do PSDB trabalham pelas candidaturas de seus presidentes nacionais, Campos e Aécio. Nesta rodada, o Datafolha fez 2.517 entrevistas em 154 municípios, o que resulta numa margem de erro de 2 pontos para mais ou para menos. As simulações do atual levantamento não podem ser diretamente comparadas com as de pesquisas anteriores do instituto porque não há coincidência de cenários. No quadro que era tido como o mais provável da pesquisa anterior, no início de agosto, Dilma tinha 35%; Marina marcava 26%; Aécio alcançava 13%; Campos, 8%. Após o fracasso da criação da Rede dentro do prazo legal para concorrer em 2014, Marina filiou-se ao PSB. Com isso, não há mais como ela e Eduardo Campos disputarem o mesmo cargo. Os números de ontem sugerem que o espólio eleitoral de Marina foi dividido de forma quase idêntica entre Dilma, Aécio e Campos. A petista teria herdado 7 pontos; o tucano, 8; o socialista agora apoiado por Marina, 7. O levantamento de ontem também confirma que Marina seria a adversária mais competitiva da presidente Dilma Rousseff em 2014. Ela atinge 29% em seu melhor cenário, quase o dobro da melhor situação de Campos. Dilma vence em todas as simulações de segundo turno. Contra Marina, ganha por 47% a 41%. Contra Serra, por 51% a 33%. Contra Aécio, 54% a 31%. Contra Campos, 54% a 28%.



Datafolha 12-10-2013

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

PED 2013: Rochinha, coordenador nacional da CNB, apoia Gleide Andrade para a presidência do PT em Minas Gerais
PED 2013: Apoio do Rochinha, coordenador nacional da CNB, à candidatura de Benedita da Silva à presidência do PT do Rio de Janeiro
Assista na TVPT

PED 2013: Rochinha chama a militância para transformar a eleição em uma festa democrática

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Assistam e divulguem a entrevista de Lula na TV Carta Maior


Continuo debatendo conjuntura política com lideranças pernambucanas, hoje com o líder e deputado federal do PP Eduardo da Fonte.

Merece uma reflexão, as palavras por sí só já dizem tudo

Caiado:  A primeira vítima de Eduardo Campos

O deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO), um dos representantes e defensores do agronegócio no Congresso, considera-se uma espécie de primeira vítima da união firmada entre Eduardo Campos (PSB-PE) e Marina Silva.
Vetado publicamente pela ex-senadora, ele desabafou em entrevista à Folha. "Eu botei o pé na calçada e um carro a 300 Km/h me atropela. Não deu nem para ver [a placa]".

Folha - O sr. foi rifado?Ronaldo Caiado - Eduardo Campos me recebeu em Pernambuco, em sua residência. Assumi, em março, a candidatura dele à Presidência. Fui o único do meu partido, um dos poucos do Brasil [naquele momento]. Ele disse que iríamos sair do duelo [governo/oposição], dessa política de identificar inimigo para ser eleito e prometeu trazer todas as tendências.
Está magoado?
Decepcionado, um balde de água fria. Não temos mais como estar juntos em Goiás. Não vou ter o pé em duas canoas. Quando conversei com Eduardo, não havia esse preconceito. Não imaginei esse gesto agressivo da ex-senadora. Essa tese de inimigo histórico é política talibã.
Haverá consequências?
É espantoso alguém querer pleitear a Presidência e ter essa visão tão excludente do setor, nacionalmente o maior pilar da economia. Como vou conviver com uma chapa de candidato a presidente que é preconceituosa com o setor primário [agronegócio]? Eu sempre fui muito coerente, mas nunca intolerante. Hoje, não sei identificar se o candidato é Eduardo ou Marina.

O sr. ainda votaria nele para presidente?
[Silêncio] Não. Dispensou meu voto e está excluindo o setor que represento. Não tenho como me posicionar favorável a candidato que diz: 'Olha, existe aqui uma barreira para o produtor rural'. Senti nele uma posição tíbia. Não o reconheço. Não foi a Marina quem aderiu ao Eduardo, foi ele quem aderiu à Marina.
O sr. carrega o símbolo ruralista, mas não é exagero dizer que isso foi um veto ao setor?
Não consigo entender uma pessoa querer governar o Brasil e não querer conversar com representantes de um segmento que é alicerce do país. Eles poderiam, ao menos, ter me avisado que eu fui vendido.
Vendido ou trocado?
Isso me faz lembrar do Afonsinho, jogador de futebol. Ele foi substituir Gerson numa partida no Maracanã. Entra em campo, começa com tudo. Vem o lateral, dá uma trava nele e diz: 'Ô, seu babaca, você não sabe que esse jogo foi vendido, não?'. Podiam ao menos ter me dito que eu tinha sido vendido na noite de sábado. Eu fui atrás da bola, busquei apoio para ele, fiz campanha naquela euforia toda e, de repente, levo o tranco. Deviam ter me dito: Caiado, acorda, você já foi vendido! Faltou sinceridade.

O sr. colocou algum veto à Marina no sábado?
Eles telefonaram para mim eufóricos de alegria. Eu disse que não tinha preconceito.

E depois, o que houve?
Não sei se foi uma virose, uma bactéria [risos]. Sábado me ligaram até para dizer que o governador futuramente me queria ministro da Agricultura. Veja, eu não estou desenhando algo que não quis ver, não. Eu botei o pé na calçada, e um carro a 300 Km/h me atropela. Não deu nem para ver [a placa].

Fonte: Folha de São Paulo
Ontem em Brasília fizemos uma reunião para discutir a conjuntura política e o PED do PT no Rio de Janeiro. Reunião bastante proveitosa comigo, os deputado Edson Santos e Luiz Sérgio, a deputada Benedita da Silva e o vice presidente do PT Alberto Cantalice. Nesta oportunidade peço aos petistas militantes do estado do Rio de Janeiro que apoiem e votem na minha candidata a presidenta do PT Benedita da Silva. Asseguro que pelo que eu conheço da companheira Benedita assim como vocês, estaremos fazendo a melhor opção de escolha, Benedita a qual eu conheço desde a fundação do PT é uma companheira valorosa, solidária e que defende os interesses do PT e o nosso projeto.
"Eduardo Campos não tem limites"
Reportagem sobre entrevista minha à Folha de Pernambuco de hoje. Leiam e divulguem!
http://www.folhape.com.br/cms/opencms/folhape/pt/politica/col/folhapolitica/index.html

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

 
 
Muita boa a conversa com o senador Armando Monteiro Neto(PTB-PE) sobre a atual conjuntura política.
QUEM VIVER VERÁ!

Mais entrevistas da "ex-candidata" Marina Silva aos jornais O Globo e Folha: Usando de esperteza com a cara da inocência, ela mistura alhos com bugalhos e tenta sair pela tangente.

A partir de agora, ela não vai conviver só com DUDU MALVADEZA, pois além do ruralista Ronaldo Caiado, entre outros, tem o Heráclito Fortes e Jorge Bornhausen.

A diferença entre DUDU MALVADEZA e o seu avô Miguel Arraes é que o Arraes fazia alianças da esquerda para a centro-direita, mas governava com corte para a esquerda.

Já o neto, na política, não tem limites. Ou você entra na dança, ou você vai cair fora. QUEM VIVER VERÁ! #Marionetesilva
Confiram também a entrevista da "ex-candidata" Marina Silva no jornal O Globo desta segunda:

http://oglobo.globo.com/pais/na-cultura-da-rede-nao-ha-lugar-para-inimigo-historico-dos-trabalhadores-rurais-diz-marina-10304486
Coluna do jornalista Fernando Rodrigues da Folha desta quarta-feira (9) comprova mais uma vez que o angu de caroço continua cozinhando em fogo lento...

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/fernandorodrigues/2013/10/1353701-desafinados.shtml

terça-feira, 8 de outubro de 2013

O ANGU DE CAROÇO CONTINUA COZINHANDO EM FOGO LENTO...

Confiram no link abaixo entrevista da "ex-candidata" Marina Silva

http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2013/10/08/se-for-para-ganhar-e-ficar-refem-nao-precisa/

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

A VERSÃO TENTA SUPERAR OS FATOS

A ida da Marina Silva para o PSB é uma prova concreta da incapacidade de alguém que conseguiu na disputa de 2010 a confiança de quase 20 milhões de eleitores, pois além de ter deixado bruscamente o partido ao qual ela se filiou para se candidatar naquele ano (Partido Verde), três anos depois não conseguiu criar a Rede Sustentabilidade, apesar do contingente de apoiadores (políticos e financeiros) que tinha à sua volta.

Colunistas, comentaristas e a velha mídia parecem conhecer muito pouco a real personalidade da "ex-candidata" Marina Silva. A princípio, a "ex-candidata", segundo notícias veiculadas, tentou pressionar o Tribunal Superior Eleitoral para validar assinaturas que já tinham sido recusadas por vários tribunais regionais eleitorais. Ora, imagina se essa proeza fosse feita pelo PT!...

A "ex-candidata" Marina, que ingressou no PT no início da sua fundação, passou por várias instâncias de direção do Partido e - modéstia à parte - tivemos uma longa convivência nessas instâncias partidárias. Sem ser rancoroso e sem querer fazer juízo de valor, estes anos todos me mostraram que, além da sua dificuldade de assimilar posições divergentes, também a aparência meiga não tem absolutamente nada a ver com os impulsos da sua personalidade política e pessoal.

Ao assinar a ficha de filiação no PSB, a "ex-candidata" Marina Silva, palavras dela, deixou claro que era um "ato simbólico", pois queria continuar - e eu acredito que de fato ela irá continuar tentando - construir a sua Rede  Sustentabilidade. Então, ela vive hoje uma situação política singular:  uma "dupla filiação" simbólica.

Ao acompanhar o noticiário político ouvi do colunista do PIG, Merval Pereira, a grande heresia: a Marina pode vir a ser a candidata à Presidência da República pelo PSB. Tive a sensação de que o Merval estava com uma febre de 40 graus. Mas, refletindo aqui com mais cautela, penso com meus botões: digamos que os institutos de pesquisa continuem aferindo a posição da "ex-candidata" na disputa eleitoral e ela venha a superar o candidato DUDU MALVADEZA nessas aferições. Conhecendo a Marina e o DUDU MALVADEZA tenho certeza de que a história registrará um verdadeiro angu de caroço dentro do PSB  (angu de caroço é um expressão utilizada para classificar confusão, e que é muito usada no Nordeste).

Num jornal de hoje, um colunista e blogueiro com viés neotucano traz uma informação (que não fornece a fonte) atribuindo ao Lula o comentário  de que a Marina no PSB dará robustez à candidatura da sigla. Acho muito difícil o Lula ter feito esse comentário. Se a Marina tinha alardeado em alto e bom som um plano A, que era a construção da Rede Sustentabilidade e que não queria ser confundida com os partidos que aí estão, por que então fez a opção por um dos mais antigos partidos do Brasil? A prova cabal é de, que perdido o plano A, ela não tinha um plano B e obrigatoriamente teve que se agarrar a um plano C.

A avaliação da sua fragilidade política e da sua confusão em tomar decisões ficará a critério dos eleitores. Será que uma figura deste porte terá condições para, em algum momento, conduzir os destinos de um grande País como o Brasil? QUEM VIVER VERÁ!  #Marionete

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Entrevista de Dilma com o apresentador Ratinho

A presidenta Dilma Rousseff deu entrevista nesta quinta-feira (3) ao apresentador Ratinho, do "SBT", em sua residência oficial, o Palácio da Alvorada.

A entrevista vai ao ar na próxima segunda-feira (7), no Programa do Ratinho, no início da noite. Não perca!
Imagem: http://instagram.com/palaciodoplanalto — com Ratinho e Dilma Rousseff.
 

 

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

EM DEFESA DA DEMOCRACIA E CONTRA O TROCA-TROCA DE PARTIDOS

Na reta final do troca-troca de partidos visando disputar as eleições em 2014, percebo que volta a operar na política o chamado vale tudo. Insisto numa antiga tese de que como os mandatos pertencem por lei aos partidos, os mesmos deveriam, a começar por aquele da qual eu faço parte (PT), pedir sem vacilar os mandatos de volta. E tenho a opinião firmada de que num país aonde estão constituídos 32 partidos políticos, mesmo respeitando a sua legalidade, eu não vejo condições de se ter uma democracia forte e representativa ideologicamente. E vou além, para a minha surpresa, leio no noticiário de hoje a opinião de dois juristas, ambos ex-ministros do Supremo Tribunal Federal, defendendo a legalização do partido Rede Sustentável em quaisquer condições. Aonde um deles, o ex-ministro Carlos Ayres Brito que, diga-se de passagem, já foi candidato a deputado federal pelo PT de Sergipe nos anos de 1990, mistura nas suas argumentações de caráter legal e jurídico com relações de amizade que tem com a ex-senadora Marina Silva. Será que aqueles que defendem a legalização da Rede Sustentável tem conhecimento e segurança de que foram cumpridas todas as exigências legais para a sua constituição? Acho lamentável e grave que figuras que dominam o conhecimento das leis deem pitacos ao Tribunal Superior Eleitoral, que é a corte irmã do Supremo Tribunal Federal, passando para a opinião pública uma versão capciosa de quase de interferência sobre um assunto tão delicado. Será que ambos nas suas funções que, historicamente, diziam que estavam defendendo as leis e a Constituição, mudaram de opinião? Ou será que por trás de tudo isso existe a intenção de entrarem para o mundo da política institucional e partidária? O tempo dirá.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Lula compara Campos ao Corinthians: "Foi jogar achando que era fácil e perdeu de 4 x 0”

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva usou a derrota sofrida pelo time dele, o Corinthians, no último domingo (29) para ilustrar a corrida ao Palácio do Planalto em 2014. Para ele, o resultado depende de vários fatores e do cenário político. O ex-presidente afirmou que ainda aposta que o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), não disputará a Presidência em 2014.
— O que eu acho é que a conjuntura no momento de decidir que vai pesar nas decisões das pessoas, aliadas às pesquisas, ao tempo de televisão, tempo de palanque. É igual ao Corinthians, que foi jogar contra a Portuguesa, achando que o jogo era fácil e perdeu de quatro a zero. A política é um pouco isso, as pessoas têm que avaliar.
O Corinthians, atual campeão mundial de clubes, entrou como favorito na partida contra a Portuguesa, anteontem, considerado um time de pouca expressão no futebol, mas perdeu por 4 x 0 para a Lusa.
Leia mais notícias no R7
O ex-presidente falou com jornalistas depois de participar de ato público na OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) em comemoração aos 25 anos da Constituição Federal. Para Lula, ainda é precipitado cravar candidatos.
— Eu só disse que ainda temos tanto tempo para as pessoas se definirem ainda. Acho prematuro ficar discutindo o que vai acontecer em março ou abril. Qualquer brasileiro com mais de 35 anos de idade pode se candidatar a presidente da República, se tiver um partido político pode mais ainda.
Entrega simbólica de Constituição
Durante discurso na sede da OAB, o ex-presidente Lula entregou ao Conselho Federal da OAB a proposta de Constituição defendida pelo PT (Partido dos Trabalhadores) em alternativa à promulgada em 1988.
Bem-humorado, Lula lembrou que na época o partido não assinou a Constituição pois tinha o seu próprio projeto.
— Muitas vezes, somos acusados injustamente de que nós não assinamos a Constituição. Somos o único partido que, na instalação da Constituinte, entregou projeto de Constituição e de regimento interno. Tínhamos 16 deputados, mas éramos desaforados como se tivéssemos 500.
Lula admitiu, no entanto, que se aprovada a Constituição do PT, o País ficaria “ingovernável” e arrancou risos da plateia que participava do evento.
— Agora, se nosso regimento e nossa Constituição fossem aprovados, seria ingovernável, porque éramos muito duros na queda e muito exigentes.
Governo Lula
Ainda durante o discurso, Lula disse que durante o seu governo tentou garantir à população tudo o que estava escrito na Constituição Federal e citou programas importantes criados pelo PT.
— Foram criados 20 milhões de empregos em dez anos. Essa articulação de políticas garantidoras de direitos é o que nos permitiu tirar 35 milhões da extrema pobreza. A maior mobilidade social tem sido possível graças aos direitos previstos na Constituição.

Fonte: Portal R7