Botao share

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Uma boa reunião na sede Nacional do PT em São Paulo com os companheiros, Marcio Vice Presidente do Diretório Municipal do do PT do Rio de Janeiro e o companheiro Domício, um quadro político da do PT do Rio de Janeiro.



quinta-feira, 27 de junho de 2013

A pirotecnia do acadêmico Merval Pereira no Jornal das Dez da Globo News

Eu acabo de ouvir o Jornal das Dez da Globo News e cada vez chego a conclusão de que o mundo dá muitas volta ouvindo a pirotecnia do acadêmico Merval Pereira para conseguir fazer o seu comentário de avaliação sobre a Reforma Política. Em passado recente ele alardeava abertamente de que o Congresso Nacional não valia nada, pra ele era um Congresso totalmente desacreditado, agora não quer plebiscito, esta defendendo ardorosamente o Congresso Nacional e pedindo que o Congresso faça as reforma política e se submeta a um referendo, o que deu neste homem? Tenta disfarçadamente criar uma divisão entre a proposta da Dilma(Governo) e de vários setores da sociedade entre Reforma Política, Plebiscito e Congresso Nacional, é o velho sistema da Globo aonde o acadêmico não passa de um servidor do seus interesses. Se eu pudesse faria uma proposta para entregar a ele a responsabilidade de elaborar propostas que em um referendo o povo dissesse "sim senhor amém", já que ele esta preocupado em o povo apresentar propostas que dificultem o Congresso Nacional a congressuar o desejo saído das urnas, é mais impressionante eu ter que ouvir as preocupações dele com o que já foi aprovado nos últimos dias pelo Congresso Nacional, segundo ele a União ou seja "Estado" não tem dinheiro para bancar nem a metade das propostas aprovadas, haja ÓLEO DE PEROBA e como dizia a apresentadora Hebe Camargo: PENINHA

terça-feira, 25 de junho de 2013

Editorial de “O Globo” do dia 02 de abril de 1964:


Em meio aos protestos em todo o Brasil a mídia repete a pauta de 64. Vale destacar que existe um grande esforço do PIG de em tornar as grande mobilizações contras os partidos, governos e políticos em nome da Democracia.
Editorial de “O Globo” do dia 02 de abril de 1964:
Leia o editorial da Globo de 1964
“Ressurge a Democracia”
Vive a Nação dias gloriosos. Porque souberam unir-se todos os patriotas, independentemente de vinculações políticas, simpatias ou opinião sobre problemas isolados, para salvar o que é essencial: a democracia, a lei e a ordem. Graças à decisão e ao heroísmo das Forças Armadas, que obedientes a seus chefes demonstraram a falta de visão dos que tentavam destruir a hierarquia e a disciplina, o Brasil livrou-se do Governo irresponsável, que insistia em arrastá-lo para rumos contrários à sua vocação e tradições.
Como dizíamos, no editorial de anteontem, a legalidade não poderia ser a garantia da subversão, a escora dos agitadores, o anteparo da desordem. Em nome da legalidade, não seria legítimo admitir o assassínio das instituições, como se vinha fazendo, diante da Nação horrorizada.
Agora, o Congresso dará o remédio constitucional à situação existente, para que o País continue sua marcha em direção a seu grande destino, sem que os direitos individuais sejam afetados, sem que as liberdades públicas desapareçam, sem que o poder do Estado volte a ser usado em favor da desordem, da indisciplina e de tudo aquilo que nos estava a levar à anarquia e ao comunismo.
Poderemos, desde hoje, encarar o futuro confiantemente, certos, enfim, de que todos os nossos problemas terão soluções, pois os negócios públicos não mais serão geridos com má-fé, demagogia e insensatez.
Salvos da comunização que celeremente se preparava, os brasileiros devem agradecer aos bravos militares, que os protegeram de seus inimigos. Devemos felicitar-nos porque as Forças Armadas, fiéis ao dispositivo constitucional que as obriga a defender a Pátria e a garantir os poderes constitucionais, a lei e a ordem, não confundiram a sua relevante missão com a servil obediência ao Chefe de apenas um daqueles poderes, o Executivo.
As Forças Armadas, diz o Art. 176 da Carta Magna, “são instituições permanentes, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade do Presidente da República E DENTRO DOS LIMITES DA LEI.”
No momento em que o Sr. João Goulart ignorou a hierarquia e desprezou a disciplina de um dos ramos das Forças Armadas, a Marinha de Guerra, saiu dos limites da lei, perdendo, conseqüentemente, o direito a ser considerado como um símbolo da legalidade, assim como as condições indispensáveis à Chefia da Nação e ao Comando das corporações militares. Sua presença e suas palavras na reunião realizada no Automóvel Clube, vincularam-no, definitivamente, aos adversários da democracia e da lei.
Atendendo aos anseios nacionais, de paz, tranqüilidade e progresso, impossibilitados, nos últimos tempos, pela ação subversiva orientada pelo Palácio do Planalto, as Forças Armadas chamaram a si a tarefa de restaurar a Nação na integridade de seus direitos, livrando-os do amargo fim que lhe estava reservado pelos vermelhos que haviam envolvido o Executivo Federal.
Este não foi um movimento partidário. Dele participaram todos os setores conscientes da vida política brasileira, pois a ninguém escapava o significado das manobras presidenciais. Aliaram-se os mais ilustres líderes políticos, os mais respeitados Governadores, com o mesmo intuito redentor que animou as Forças Armadas. Era a sorte da democracia no Brasil que estava em jogo.
A esses líderes civis devemos, igualmente, externar a gratidão de nosso povo. Mas, por isto que nacional, na mais ampla acepção da palavra, o movimento vitorioso não pertence a ninguém. É da Pátria, do Povo e do Regime. Não foi contra qualquer reivindicação popular, contra qualquer idéia que, enquadrada dentro dos princípios constitucionais, objetive o bem do povo e o progresso do País.
Se os banidos, para intrigarem os brasileiros com seus líderes e com os chefes militares, afirmarem o contrário, estarão mentindo, estarão, como sempre, procurando engodar as massas trabalhadoras, que não lhes devem dar ouvidos. Confiamos em que o Congresso votará, rapidamente, as medidas reclamadas para que se inicie no Brasil uma época de justiça e harmonia social. Mais uma vez, o povo brasileiro foi socorrido pela Providência Divina, que lhe permitiu superar a grave crise, sem maiores sofrimentos e luto. Sejamos dignos de tão grande favor.” - Acerto de Contas

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Reunião com dirigentes do PT do Rio Grande do Norte

Reunião com os companheiros do PT do Rio Grande do Norte. O deputado estadual Mineiro e o Presidente do Diretório Estadual, Eraldo.

quinta-feira, 20 de junho de 2013

As tramas do PIG


Para minha surpresa o PIG levantou a palavra de ordem que não se deve misturar política e futebol. É bom lembrar que ele o "PIG" sempre se utilizou do futebol para influir na política, inclusive utilizando a seleção Brasileira nos anos de 1970, incentivando a seleção a beijar as mãos do Ditador General Médici. QUE MORAL VOCÊS TEM PARA DA UMA DE VESTAL?

O PIG e a velha mídia se recusam a olhar para o próprio rabo

No momento em que o movimento social se mobiliza por reinvindicações justas em benefício dos mais necessitados, começam a aparecer aqueles que, como sempre, tentam se aproveitar e pegar carona nas reinvindicações dos movimentos de massas.


Aqui quero me referir especialmente ao chamados meios de comunicação que na sua trajetória de muitos anos sempre defenderam os interesses da elite brasileira.
Observo nos últimos dias que âncoras, comentaristas e colunistas dos meios de comunicação falada, escrita e televisada esforçam-se para tentar manobrar o movimento e tentar criar pautas e palavras de ordem que atendem ao seu próprio interesse.
O PIG e a velha mídia sempre foram os verdadeiros porta-vozes de interesses contrários à toda e qualquer reinvindicação da maioria do povo brasileiro.
Recordo-me das chamadas palavras de ordem ditas e repetidas pelo PIG e outros jornalões fazendo coro à propaganda da ditadura militar. O chamado “Brasil para frente” ou o “ame ou deixe”.
Foram por muito tempo os grandes beneficiários da força da repressão da ditadura militar no Brasil e nunca fizeram a mínima denúncia sobre tortura, desaparecimento e mortes. Pelo contrário, elogiavam a ação dos militares que, segundo eles, teriam evitado que o Brasil fosse dominado pelos comunistas. Defenderam e até elogiaram a edição do ato institucional nº 5 e a deportação arbitrária de vários jovens brasileiros expulsos do país pelos militares.
Continuando o curso da história foram contra o movimento dos jovens cara pintada quando sairam às ruas para reinvindicar as eleições diretas, a redemocratização do país e outras bandeiras democráticas, mas quando perceberam que estavam sendo engolidos pelo movimento usaram da mesma manobra e começaram a tramar a chamada eleição indireta de cunho conservador e tentaram mudar os rumos do movimento.
Diga-se de passagem que figuras que, naquela época, por qualquer razão, tinham a simpatia do PIG e da velha mídia eram tratados como verdadeiros heróis e democratas. Uma boa parte deles, hoje são alijados por esta mesma mídia, única e exclusivamente por terem mudado de posição.
Seguindo adiante, é sempre bom lembrar que estes mesmos meios de comunicação tiveram posição contrária para derrotar a chamada emenda Dante de Oliveira, que se aprovada reestabeleceria eleições diretas no pais.
Com o reestabelecimento das eleições diretas, o PIG mais uma vez colocou-se a favor das elites e tentou fraudar a vitória de Leonel Brizola nas eleições para governador do Rio de Janeiro. No pleito de 1989, o PIG tenta novamente manipular as massas com a “caça aos marajás”. Pósicionando-se contra o avanço das forças progressistas e democráticas frauda de forma criminosa o último debate eleitoral da campanha presidencial, violando os preceitos legais da lei eleitoral e reproduzindo a fraude em horário posterior à determinação da justiça eleitoral, levando de forma criminosa o debate para exibição no Jornal Nacional.
Lógico que eu poderia citar inúmeros outros fatos mais recentes, como a bandeira do “Cansei”. Mas vou deixar para uma próxima oportunidade. Pretendo com este texto situar a atual geração de jovens sobre um comportamento corriqueiro do PIG, utilizado há mais de 30 anos. Vamos aos fatos do dia: é possível que o PIG ache que nós, seres vivos, não acompanhamos e não sabemos da rejeição que o atual movimento têm em relação ao próprio PIG. Vocês não têm uma imagem de cobertura do movimento que tenha sido fotografada por terra. Tiveram que acompanhar o movimento pelas alturas, porque foram totalmente rejeitados no momento que se aproximavam da mobilização de rua, diga-se de passagem que os jornalistas não têm culpa, mas foram expulsos pelo movimento por simbolizar a imagem desgastada e deturpada de vocês. Isto serve também para algumas coberturas, ou algumas tentativas de cobertura feitas pelos tradicionais jornalões.
Alguns comentaristas, ou pelo menos um, teve que vir a público pedir desculpas pelas suas análises irresponsáveis, dizendo que errou, mesmo se considerando um jornalista coroa, de direita e facista (palavras dele). Leiam também a matéria do Jabor, no Estadão de terça-feira (18/06). Este mesmo jornal pediu às forças policiais que descessem a borracha nos manifestantes, o que de certa forma foi atendido.
Outro jornalão de grande circulação, que têm uma postura de camaleão “bicho que fica em cima do muro” faz analises como uma verdadeira biruta de aeroporto, um dia com uma posição, outro dia outra, conforme os seus interesses. A prova disso, é retratada no dia de hoje, no texto publicado por uma de suas colunistas que reproduz noticias anteriores sobre o chamado movimento “Cansei”. Esta colunista não me surpreende, porque ela só não diz, mas seu comportamento mostra de que lado ela está. Inclusive, dizem, que é uma “vivandeira de quartéis”.
A aparente novidade, que surge hoje, é que os militantes do PT engrossaram as manifestações de hoje, ledo engano.
Desde o começo, tivemos muitos militantes petistas no movimento, sem precisar vestir camisas vermelhas ou levantar bandeiras partidárias, até porque nunca saímos da rua e nela como militantes de esquerda iremos permanecer sempre. Doa a quem doer.
Francisco Rocha da Silva Rochinha é dirigente nacional do PT
  

terça-feira, 18 de junho de 2013

NOTA DA BANCADA DO PT NA CÂMARA DOS DEPUTADOS



 O povo como sujeito da história
 A Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara saúda as manifestações populares que têm ocorrido nas ruas de diferentes cidades brasileiras. Como lembrou a presidenta Dilma Rousseff, o Brasil acordou nesta terça-feira mais forte com as manifestações realizadas por todo o País, comprovando a energia da nossa democracia, a força das vozes da rua e o civismo da nossa população. A bandeira por um país mais justo e melhor, levantada por milhares de jovens, coincide com o que o PT defende e tem motivado nossas lutas na condução do Brasil.
As manifestações são legítimas e as reivindicações e os métodos para expressá-las fazem parte do sistema democrático. Compete às instituições do estado democrático de direito dialogar com esse sentimento. Os milhares de manifestantes deram um recado claro aos governantes de todas as instâncias e aos três poderes da República. Trata-se da expressão do desejo de influir nas decisões de todos os governos, do Legislativo e do Judiciário.
A elevação de 40 milhões de pessoas à classe média é um exemplo emblemático de como o País mudou. Surgiu, consequentemente, uma nova agenda, demandando mais inclusão, mais distribuição de renda, acesso a mais e melhores empregos, a bens e serviços e melhorias na qualidade de vida com base num modelo ambientalmente sustentável. Surgem, portanto, novos desafios para os governantes de todos os níveis.
A Bancada do PT e nosso governo estão em plena sintonia com as reivindicações expressas nas ruas, pois elas são produto de uma sociedade em transformação e em busca de novas conquistas e que consolidem o Brasil como um dos países mais democráticos do planeta. Avançamos e podemos avançar ainda mais. A agenda do desenvolvimento do Brasil, depois de décadas, foi finalmente desinterditada.
A Bancada do PT recorda que várias conquistas na área de transportes públicos, por exemplo, aconteceram em governos petistas, como a implementação do Bilhete Único em São Paulo, em 2004, que proporcionou uma redução de custos de 30% para o usuário do sistema. O governo Dilma acaba de editar a Medida Provisória nº 617/13 que zera as alíquotas da Contribuição para o PIS/PSEP e da Cofins incidentes sobre a receita decorrente da prestação de serviços regulares de transporte coletivo municipal rodoviário, metroviário e ferroviário de passageiro, o que permitirá reduzir o preço das passagens.
Defendemos 100% dos royalties do petróleo para a educação e uma ampla reforma política que amplie os canais de expressão e participação popular, incluindo financiamento público exclusivo das campanhas eleitorais. Na questão da saúde, é necessário avançar em termos de recursos e na eficiência, incluindo enfrentamento aos grupos privados que buscam enfraquecer o modelo público do SUS.
 A democracia representativa torna-se mais forte com a incorporação da mobilização popular, das vozes do povo e das manifestações expressadas por pessoas de diferentes orientações políticas e ideológicas. O uso das redes sociais nos debates políticos e na mobilização confere importância a um tema essencial de nossa pauta, que é a democratização dos meios de comunicação, e enfraquece o monopólio dos grupos midiáticos empresariais que sempre estiveram interpretando os fatos de acordo com suas conveniências.
O povo na rua é nossa história. Lá é o espaço que revigora nossa democracia e proporciona o espaço de participação direta do cidadão na política. Ouvir as vozes das ruas é dever de todos os Poderes, para mudar práticas e aprofundar o processo de transformações em busca de uma sociedade moderna, justa, democrática e com igualdade de oportunidades para todos.
 Brasília, 18 de junho de 2013
 José Guimarães-(PT-CE)- Líder da Bancada na Câmara

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Convido a todos para comparecer ao lançamento da candidatura do companheiro RUI FALCÃO a Presidente Nacional do PT.

O ato acontecerá no dia 27 de junho, quinta-feira as 19 horas.
Local: Auditório da UNINOVE
Rua Vergueiro, 235/249 - (próximo a estação vergueiro do metrô)
Liberdade - São Paulo


Um Abraço a todos e até lá!


sexta-feira, 14 de junho de 2013

Reunião com companheiros e comapnheiras da JPT


 
Landi, Tamirez e Maia da Juventude do PT estiveram reunidos comigo nesta tarde no Diretório Nacional, em São Paulo. A companheira Tamirez postula uma vaga na direção da UNE
 
 

quinta-feira, 13 de junho de 2013

A má fé do Globo on line

Por pura má-fé o Globo on line publicou ontem em sua conta no twitter uma matéria a respeito de um importante estudo feito pelo IPEA a respeito da mobilidade urbana, onde o instituto conclui que país tem 37 milhões de pessoas que não têm dinheiro para pagar passagem regularmente.


O problema é que ao publicar novamente a matéria o jornal omite que o estudo foi feito no ano de 2010, descontextualizado totalmente a informação do IPEA.


E ainda, sorrateiramente passa a versão que coincide com as mobilizações atuias sobre o custo das tarifas de transporte público - TOTAL IRRESPONSABILIDADE DESTE ÓRGÃO DE COMUNICAÇÃO, QUE DESREPEITA TANTO O SEU LEITOR QUANTO AO INSTITUTO DE PESQUISA ECONOMICA APLICADA.



quarta-feira, 12 de junho de 2013

A velha mídia como de costume continua escondendo a divulgação de uma matéria da maior gravidade. Se fosse uma noticia qualquer relativo ao PT, possivelmente teria sido no dia de hoje manchete dos principais jornalões. Onde esta a isenção da imprensa?

Vejam FONTE

O ridículo comentário do acadêmico no CBN BRASIL.




Hoje no CBN BRASIL o acadêmico revelou que ontem em conversa com Aécio Neves do PSDB descobriram que o OVO de COLOMBO foi encontrado na pesquisa do datafolha sobre a popularidade da Presidente Dilma Rousseff. Palavras dele: "Segundo Aécio Neves, o mais importante na leitura da pesquisa não foi a revelação dos números dos candidatos de oposição. Uma vez que constataram que a oposição não teve o devido destaque que eles o esperavam. Mas a pesquisa aponta a real possibilidade de um segundo turno na disputa presidencial, sobre tudo se eles, o acadêmico e o Aécio conseguirem levar o governador de Pernambuco para o campo de oposição ao governo da Presidente Dilma.

Minha constatação.

O acadêmico se declara abertamente como conselheiro e porta voz da oposição, lógico que pelo seu comportamento não é nenhuma novidade.

Ouçam o comentário. CBN

terça-feira, 11 de junho de 2013

Reunião na sede do PT com os companheiros Vitor quarenta e Pedro Paulo Araújo.


 Reunião na sede do PT com os companheiros Vitor quarenta e Pedro Paulo Araújo.






sexta-feira, 7 de junho de 2013

POLÍTICA SE FAZ COM DESAFIOS

Por Francisco Rocha "Rochinha" e Joaquim Cartaxo 


Na Europa e Estados Unidos, a falência do modelo neoliberal provocou uma crise social inimaginável, marcada por alto índices de desemprego, revoltas populares e movimentos de extrema direita. Destaque-se na crise europeia, a taxa média de desemprego em torno de 25%, em que os jovens são perversamente atingidos; no Brasil essa taxa é de 5%, considerado um percentual de pleno emprego.

Na América Latina, partidos de esquerda assumiram vários governos, romperam com a cartilha neoliberal, reorganizaram o Estado, investiram prioritariamente em políticas sociais e os resultados atestam o acerto dessa mudança, apesar das dificuldades socioeconômicas e dos enfrentamentos políticos com as forças conservadoras resistentes ao rompimento com o neoliberalismo.

Todos lembram – embora alguns prefiram esquecer – como foram difíceis o início do primeiro mandato do presidente Lula, que herdou um país quebrado pelos governos neoliberais: desemprego batendo recordes; inflação, dólar e juros disparando, sem crédito no exterior; indústria paralisada, especulação mandando na economia, máquina pública sucateada; ação limitada do Estado no combate às muitas e históricas carências nacionais.

Superamos estas e outras dificuldades. Consertamos a casa, restabelecemos o emprego, valorizamos os salários, combatemos como nunca as desigualdades, fizemos do Brasil um país mais justo e soberano. Também, demos início a um inédito ciclo de crescimento econômico com geração de emprego e distribuição de renda, mudando radicalmente a base da pirâmide social; produzimos políticas públicas em parceria com movimentos sociais, valorizando e ampliando mecanismos democráticos de debates e deliberações.

10 anos depois, o país melhorou e tem rumo porque enfrentamos os desafios de fortalecer o Estado, apostar na força do nosso mercado interno e, sobretudo, priorizar a inclusão socioeconômica de milhões de brasileiros e brasileiras. Os resultados dessa política realizada com desafios são indiscutíveis: geração de 19 milhões de empregos e ascensão de 40 milhões de pessoas às classes de renda C e D.

Desafios que ainda são enormes, diante de uma crise internacional que teima em não acabar, mas o Brasil a enfrenta com políticas de ampliação de investimentos, obtendo resultados que são reconhecidos positivamente por organismos internacionais; no âmbito interno do país, há o compromisso de continuar avançando, aprofundando as transformações, já que, apesar de tudo o que fizemos, e não foi pouco, ainda há muito a realizar.

Qual nosso maior desafio? A política.

Nos últimos anos, aperfeiçoamos a democracia, elegemos e reelegemos Lula, um operário presidente da República; elegemos Dilma para sucedê-lo e, pela primeira vez, na história do Brasil uma mulher comanda os destinos do país. São vitórias do PT, da esquerda e toda a sociedade brasileira, que está mais madura.

O governo da presidenta Dilma tem projetos e propostas para o país que avançam sustentados nas bases socioeconômicas construídas pelos governos do presidente Lula. Entretanto, sublinhe-se: só boa gestão não basta. Junto devem vir a política e a eficiência da comunicação com as massas.

Assim sendo, é fundamental encarar com determinação o tema da democratização das comunicações, trabalhando para garantir a diversidade de opinião e o fim dos monopólios da mídia; da mesma forma, uma reforma política que molde um sistema de representação no qual a população possa participar mais das decisões, bem como que os governos e parlamentares cumpram seus mandatos realizando os projetos apresentados e discutidos nas eleições. Para tanto, é necessário o fortalecimento dos partidos, a formação de maiorias parlamentares programáticas e diminuição da influência do poder econômico no jogo político.

A direção nacional do PT aprovou a Campanha Nacional de Mobilização pela Reforma Política que pretende recolher 1,5 milhão de assinaturas para o projeto de iniciativa popular a ser encaminhado ao Congresso Nacional e cujos pontos prioritários são: financiamento público exclusivo de campanhas, voto em lista preordenada, aumento da participação popular e a maior participação das mulheres na vida pública.

Principal partido de sustentação do governo e do projeto democrático e popular, o PT, além da obrigação de manter-se unido e coeso, precisa desenvolver ações que reforcem nossos vínculos históricos com os movimentos sociais e estreitem relações políticas com as classes médias emergentes que estão conformando a nova realidade brasileira em termos de demandas e valores socioculturais.

Para alcançar os objetivos dessas ações, o PT precisa melhorar sua comunicação interna e com a sociedade, associá-la à comunicação das ações de seus governos, de seus parlamentares e da militância num amplo movimento integrado de fortalecimento do PT.


A continuidade do projeto que mudou para melhor a vida de milhões de brasileiros, e que continuará mudando, depende de nossa capacidade de articular a política com base em desafios, compreender as mudanças passadas, presentes e as que estão por vir e de nos precavermos e desviarmos das armadilhas de percurso que são cotidianas, à direita e à esquerda, no campo da disputa por hegemonia de projeto na sociedade. 


quinta-feira, 6 de junho de 2013

Um adeus a Júlio Rafael



É com enorme pesar que recebo a noticia do falecimento do companheiro Júlio Rafael do PT da Paraíba. Gostaria de dirigir, especialmente à sua companheira, Ana, seu filho, os demais familiares, amigos e amigas e a todos os petistas da Paraíba os meus mais sinceros sentimentos.


Conheci Júlio quando ele, ainda jovem, ingressou no PT, tendo sido, inclusive dirigente na capital de São Paulo e depois membro do Diretório Nacional. Durante todo este tempo estivemos juntos na luta por uma sociedade mais igualitária e mais justa. A saudade permanecerá para sempre.