Botao share

terça-feira, 30 de abril de 2013


30/04/2013 - 13h48

Dilma e presidente do PSDB integram lista de mais poderosos de revista


DE SÃO PAULO
A revista americana "Foreign Policy" lançou uma espécie de mapa do poder e inclui onze brasileiros na lista das 500 pessoas mais poderosas do mundo.
Estão na lista nomes como a presidente Dilma Rousseff, o deputado federal Sérgio Guerra, presidente do PSDB, e Fernando Haddad, prefeito de São Paulo, maior cidade do país.
O mapa se baseia, segundo a "Foreign Policy", em rankings especializados como, por exemplo, a lista das cem pessoas mais influentes da revista "Forbes" e institutos de pesquisa.
A publicação ainda simboliza as áreas do setor de influência de cada um na lista, como política, dinheiro, influência para o bem, ou, no caso de Bashar al-Assad, presidente da Síria, para o mal.




Dilma, por exemplo, é relacionada à política, enquanto Graça Foster, da Petrobas, outra brasileira na lista, é relacionada ao poderio econômico.
Também fazem parte dos mais poderosos, segundo a publicação, os ministros brasileiros Antonio Patriota (Relações Exteriores), Guido Mantega (Fazenda), Celso Amorim (Defesa), o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, o secretário de Ações Estratégicas da SAE (Secretaria de Assuntos Estratégicos), Ricardo Paes de Barros, e o banqueiro Joseph Safra.
Ainda no campo político, Vagner Freitas, presidente nacional da CUT (Central Única dos Trabalhadores) também aparece no mapa.


Fonte Folha

terça-feira, 23 de abril de 2013

DO APAGÃO AO TOMATE: A TENTATIVA DA CONSPIRAÇÃO MIDIÁTICA


Tentando formar um campo político de oposição ao PT e seus aliados para disputar as eleições de 2014, os setores de centro-direita da política brasileira junto com a mídia conservadora vêm buscando, nos últimos tempos, transformar várias versões em fatos políticos.

Oposição sem projeto consistente para enfrentar o PT, o governo federal e sua base apoio. Oposição que se ancora, única e exclusivamente, em notícias fantasiosas e midiáticas, criando inverdades para tentar se firmar como alternativa a um projeto de governo popular que a 10 anos no poder vem transformando o Brasil, no sentido da melhoria das condições de vida e trabalho da população.

As versões recentes em relação ao apagão elétrico são um exemplo de tentativa de amedrontar a opinião publica. Como essa versão não se transformou em fato, porque não tinha a menor consistência em acontecer, outras versões foram criadas.

Diuturnamente, batem na tecla de que a inflação está descontrolada, alarmando a população quanto à possibilidade de que a inflação em alta corroe o poder aquisitivo, conquistado durante esses 10 anos do governo do PT e seus aliados. Associado a isso, clamam com a mesma intensidade que alarmam para que o governo aumente as taxas de juro. Medida que só interessa ao setor financeiro e especulativo.

Paralelo a isso, toda hora a mídia conservadora espalhava por meio de notícias e de seus analistas que estávamos em uma situação de descontrole geral de preços pegando como vilão o tomate que passou a ser o alimento primordial do povo brasileiro no lugar do feijão e do arroz. Hilariante: foram à caça de plantações de tomate Brasil afora para mostrar a importância dessa obra prima e, aí sim, transformaram essa versão em fatos. Fatos que duraram poucas semanas, porque a pérola em que transformaram o tomate por causa do o preço lá em cima de repente despencou.

Inconformados, inventam todo dia ou requentam diariamente notícias das mais estapafúrdias na tentativa de desmoralizar o PT, o ex-presidente Lula e o governo da presidenta Dilma.

Na mesma linha, várias candidaturas são forjadas, única e exclusivamente, com o objetivo de disputarem o primeiro turno das eleições de 2014 e, a qualquer preço, levar a disputa presidencial para um segundo turno.

Assim sendo, legenda partidária que vem de um histórico de luta de centro-esquerda se junta a legendas com espectro histórico de direita visando ganhar tempo de TV e se transformar em verdadeiro balcão de negócios, nunca visto na história do Brasil. Os bons entendedores sabem do que estou falando. Figuras políticas com um passado de tradição de esquerda tentam minar, por dentro, a base de sustentação do governo federal e se juntam ao conservadorismo político, ao poder financeiro especulativo e à mídia mais reacionária do país, numa tentativa de ganhar espaços políticos e satisfazer suas vaidades pessoais ou de grupos, sem apresentar nenhuma proposta concreta de alternativa de poder.

Tudo isso serve de alerta para o que nos espera daqui a pouco tempo. Portanto, é dever de todo militante de esquerda ou progressista evitar que se espalhe no país uma onda da política conservadora.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Secretário de Organização explica alterações no Regulamento do PED


Ajude a divulgar isto nas redes sociais
“Precisávamos facilitar a participação de novos filiados e, também, dos antigos nas atividades do PT” explicou Florisvaldo Souza
O Diretório Nacional do PT avaliou as experiências das direções municipais e estaduais do partido e decidiu incorporar ao regulamento do Processo de Eleições Diretas (PED), mecanismos que permitam fazer com que as decisões do IV Congresso possam ter implicações mais diretas à vida partidária e dos filiados. Essas alterações modificam o cotidiano dos militantes com objetivo de aperfeiçoar e melhorar a vida partidária, além de alcançar um número maior filiados realizando seu direito de votar em todas as instancias do partido.
De acordo com o secretário Nacional de Organização, Florisvaldo Souza, essas alterações visam uma melhor reorganização do partido, adequadas as definições do IV Congresso. “Objetivo é deixar o nosso regulamento em acordo com a realidade dos nossos filiados e do partido. Além disso, as mudanças não confrontam nada do que foi estabelecido no Congresso. Precisávamos facilitar a participação de novos filiados e, também, dos antigos nas atividades do PT” explicou.
Entre as alterações está a ampliação do conceito de atividade partidária. Segundo o secretário de Organização, o texto do regulamento agora admite que “quem participar de qualquer atividade organizada pelas instâncias partidárias, pelos setoriais e secretárias setoriais e pelos mandatos terá direito de votar no PED”, isso desde que esteja em dia com as contribuições financeiras e tenha mais de um ano de filiação. “Nós apenas abrimos mais o leque de oportunidades para participação de nossos filiados na atuação do partido e nas mobilizações” afirmou.
Para o PT, a participação das mulheres, dos jovens, dos negros e dos indígenas é fundamental para a democracia do partido e soberania dos direitos humanos no Brasil. Por isso, o IV Congresso criou cotas geracionais, étnicas e adotou paridade para todas as chapas, diretórios e executiva. “Essas mudanças vão mexer nas direções do partido dando mais dinamismo tanto da composição de direções, quanto no encaminhamento das políticas partidárias” disse Florisvaldo.
(Janary Damacena – Portal do PT)

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Saudação às mulheres petistas da CNB.

Saúdo as mulheres petistas que militam na CNB - Construindo um Novo Brasil, reunidas hoje em Brasilia para uma reunião, que tem como pauta principal a discussão do PED 2013 -  Processo de eleições diretas.

Espero que neste encontro as companheiras possam dar a sua parcela de contribuição, para um dos processos mais importantes da vida do PT. Para isto, é preciso aprofundar a participação política das mulheres na nossa vida partidária e institucional.

Os avanços obtidos agora têm sido significativos em vários aspectos. Sejam eles na área política, social e de igualdade de direitos - inclusive no mercado de trabalho -, mas ainda é necessário avançar para que estas conquistas sejam definitivamente reconhecidas pelo estado, por homens e mulheres.

O PT têm dado sua contribuição neste aspecto. E as mulheres, com suas lutas, têm conquistado avanços significativos na vida orgânica do partido.

Para encerrar, quero lembrar que só com a unidade partidária é possível consolidar estas conquistas. A participação das companheiras, em toda a sua pluralidade, incluindo as companheiras da cidade, do campo, donas de casa e trabalhadoras em geral é uma peça fundamental para tornar o partido cada vez mais importante na consolidação da democracia partidária e da política no Brasil.

Um bom encontro a todas.

Rochinha
Coordenador Nacional da CNB

Estatuto da Juventude: aprovado, substitutivo de Paim vai à Câmara


Líder do PT no Senado ressalta que matéria beneficiará mais de 50 milhões de brasileiros, que estarão cada vez mais capacitados para discutir o futuro do Brasil.

O plenário do Senado aprovou, nesta terça-feira (16), o relatório do senador Paulo Paim (PT-RS) ao Projeto de Lei da Câmara (PLC 81/2011) que institui o Estatuto da Juventude. O texto que apresenta os direitos dos jovens com idade entre 15 a 29 anos regulamenta o artigo 227, parágrafo 8º da Constituição Federal. O substitutivo apresentado pelo senador petista, em plenário, apresenta as mesmas informações do texto básico aprovado na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), onde o senador Paulo Paim também relatou a matéria. A única alteração foi a emenda da senadora Ana Amélia (PP-RS) que alterou a política de concessão de meia-entrada para eventos culturais. Com a mudança, 40% dos ingressos serão reservados para jovens devidamente matriculados e sob posse de sua carteira estudantil.
“Cumprimento com muito carinho a juventude brasileira. Os jovens se organizaram e se reuniram por diversas vezes, dialogando com as lideranças, com o Governo. Parabenizo pelo esforço que possibilitou a construção desse acordo”, disse. “Dialogamos muito, conversamos muito, ouvimos muito e conseguimos uma construção que representa a vontade da maioria. 80 entidades manifestaram apoio ao texto substitutivo. Esse documento não é de deputados e senadores, é um instrumento da juventude brasileira”, destacou Paim.
O líder do PT no Senado, Wellington Dias (PT-PI) destacou a importância da aprovação do Estatuto e classificou como consolidação dos direitos daqueles 
que, no futuro, irão conduzir o futuro do País.
“Esse é um tema que merece coragem, determinação. Aproveito para elogiar o trabalho da equipe do Governo Federal na busca de um texto de consenso para esse tema. Agradeço toda a contribuição do Conselho Nacional da Juventude, dos artistas, das Juventudes do PT e do PMDB, que asseguraram um acordo para votação de um conjunto de leis para a juventude”, disse.
A presidenta da Comissão de Direitos Humanos (CDH), senadora Ana Rita (PT-ES) parabenizou os órgãos governamentais, as entidades representativas da juventude e a secretária nacional da juventude, Severine Macedo, pelo debate que proporcionou a aprovação da matéria nesta noite.“Tivemos a oportunidade de fazer debates intensos, com diversas reuniões com a Secretaria Nacional da Juventude, órgãos do Governo Federal, buscando o consenso. Tenho a certeza de que o Estatuto é fruto de um amplo debate, de um exercício de cidadania. É preciso implementar políticas públicas para garantir que os nossos jovens estejam protegidos pelo poder público”, ressaltou.
Garantias
A proposta aprovada apresenta garantias nas áreas de saúde, educação, trabalho, lazer, mobilidade e acesso à Justiça para os jovens brasileiros. O texto ainda prevê programas de expansão do ensino superior com oferta de bolsa de estudo em instituições privadas e financiamento estudantil.
O Estatuto também prevê a garantia de que o ensino fundamental para jovens índios e povos de comunidades tradicionais será ministrado em língua portuguesa e nos idiomas tradicionais de cada etnia ou comunidade. Está previsto, ainda, que caberá ao Poder Público promover programas educativos e culturais voltados para as questões da juventude em emissoras de rádio e televisão e nos demais meios de comunicação de massa.
Pontos alterados no Senado
Idade – Estatuto delimita entre os jovens pessoas de 15 aos 29 anos em qualquer situação, prevalecendo as regras do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) até os 18 anos. Nos casos em que o ECA não específica, permanece a especificação do Estatuto que considera jovem aquele com até 29 anos de idade. 
Meia-entrada – Com relação ao direito a meia-entrada, os jovens vão poder usufruir dessa modalidade em todo tipo de evento cultural e/ou esportivo. Em cada evento cultural, serão disponibilizados 40% dos ingressos para venda no regime de meia-entrada. Esse tipo de benefício não valerá apenas para as competições que já possuem legislação específica, como o caso da Copa das Confederações 2013 e Copa do Mundo 2014, que são regidos pela Lei Geral da Copa.
Meios de comunicação – A redação anterior previa a obrigação de que emissoras de rádio e TV veiculassem cinco horas diárias de programação voltada para os jovens. O novo texto prevê que o Poder Público promova programação cultural voltada para jovens.
Gratuidade na passagem – Os jovens com baixa-renda comprovada passam a ter direito a duas vagas com gratuidade em transportes interestaduais e outras duas vagas com 50% de desconto, por viagem.
Tramitação
O texto segue para a Câmara dos Deputados, por ter sido alterada no Senado Federal.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Esta é o tipo da informação que desenforma e confundi.


Coluna da Dora Kramer de hoje no Estadão

De:
Geraldo Magela Ferreira 
Dora Kramer


Banho-maria
Na última reunião de seu diretório nacional, o PT anunciou o lançamento de campanhas para recolher assinaturas em apoio a duas emendas constitucionais: uma para instituir o financiamento público eleitoral e outra para ver se consegue criar alguma forma de controle estatal sobre o conteúdo produzido pelos meios de comunicação.
À primeira, o partido acrescentou dois ou três detalhes e deu o nome de "reforma política". A segunda batizou de "democratização dos meios de comunicação" e manteve o espírito do projeto de controle social da mídia que vem tentando tirar do papel desde que ganhou a primeira eleição presidencial e anunciou a criação de um conselho para fiscalizar a imprensa.
Por que recorrer à iniciativa popular se o governo tem maioria ampla no Congresso e, em tese, poderia ganhar a parada no voto?
Porque o partido já percebeu que ambos os debates são perdidos na sociedade e, assim, não pode contar com ajuda do Planalto nem com apoio dos partidos aliados no Parlamento.
Campo onde há interesses conflitantes não é seara em que governos gostem de transitar. Alguns ainda enfrentam brigas e delas é que resultam avanços. De um modo geral não compram todas elas. Mesmo Fernando Henrique Cardoso, que comprou a da abertura da economia iniciada no governo Collor, a dos monopólios, a da reforma do Estado e parte da Previdência, deixou outras pelo caminho.
Veio o PT e não só retrocedeu em importantes avanços da época de FH, como abandonou outros contenciosos. Estão aí por fazer a complementação da reforma previdenciária e a totalidade das reformas política, tributária e trabalhista. E para que não fosse importunada por cobranças, logo ao assumir a presidente, Dilma Rousseff anunciou que deixaria esse desconforto de lado. Oficializou o abandono das reformas e assunto encerrado.
Se o tema é vencido qual a razão de voltarmos a ele? A seguinte: insistência do PT não deixar a questão do controle da imprensa sair da pauta em contraposição à decisão do governo deixá-lo dormir em berço esplêndido.
No meio disso, há a necessidade incontestável de se regulamentar artigos da Constituição de 1988 sobre o funcionamento dos veículos comunicação, além da premência de se organizar legalmente os meios que se disseminaram de lá (quando, por exemplo, não existia internet) para cá.
A última manifestação da presidente Dilma Rousseff a respeito, para o ministro das Comunicações Paulo Bernardo, foi dizer a ele que estava "conduzindo muito bem o assunto" quando recentemente concordou com a necessidade de se debater o chamado marco regulatório, mas acrescentou que isso seria feito no "momento adequado".
Como o governo não vislumbra essa adequação no horizonte, a presidente quis dizer ao ministro que a coisa é para ficar assim mesmo, em banho-maria. Até quando? Sabe-se lá.
E justiça seja feita: não se deve apenas àquele grupo do PT que tem um chilique autoritário a cada vez que é publicada uma denúncia envolvendo o governo ou o partido.
Deve-se a isso também, mas há a outra face da moeda: os interesses conflitantes entre partidos e empresas de comunicação, notadamente as proprietárias de canais de televisão. Os políticos não querem mexer no assunto porque grande parte ou têm emissoras (rádio ou TV) ou são de alguma forma ligados a elas.
As grandes redes puxam cada qual para a respectiva sardinha e já deixaram isso muito claro às autoridades competentes. Exemplo de temas em torno dos quais reina a discórdia: aluguel de horário para programas independentes (aí incluídos, e principalmente, os espaços ocupados por igrejas de todo tipo) e obrigatoriedade de um determinado porcentual de programação local.
É um tiroteio. E dele o governo fica distante para não levar uma bala perdida.

Discurso de Lula em seminário "O decênio que mudou o Brasil", em BH

Em Belo Horizonte, Lula elogia conquistas de Dilma, diz que é importante ter consciência das conquistas desses 10 anos de governo democrático e popular, mas sem perder de vista o que ainda pode ser feito. "Temos que ver as mudanças não porque tem uma propaganda na televisão, mas pelas mudanças dentro da nossa casa"


quarta-feira, 10 de abril de 2013

Grupo de Lula anuncia apoio e enfraquece Marinho


quarta-feira, 10 de abril de 2013 7:35

Raphael Rocha

Do Diário do Grande ABC

0 comentário(s)

Grupo de Lula anuncia apoio e enfraquece Marinho
Com influência direta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a CNB (Construindo um Novo Brasil), maior corrente ideológica do PT, decidiu pelo apoio à candidatura de Emídio de Souza à presidência do PT estadual na eleição de novembro. O ex-prefeito de Osasco é o nome predileto de Lula para comandar o petismo paulista.
O posicionamento praticamente sepulta o projeto do deputado federal Vicente Cândido de assumir a executiva estadual da sigla. Cândido era defendido pelo prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho (PT), e pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.
Embora nunca tenha falado publicamente sua preferência, Marinho trabalhava nos bastidores pelo triunfo do parlamentar federal, tanto que havia conseguido arregimentar apoio de diversos integrantes da bancada petista na Câmara dos Deputados e na Assembleia Legislativa.
Nos bastidores do petismo já é certa a desistência do apoio de Marinho a Cândido e a adesão do prefeito de São Bernardo ao projeto de Emídio. Interlocutores do alto escalão do partido tentam convencer Marinho a embarcar em projeto unificado em torno do ex-chefe do Executivo de Osasco. Esse é um desejo pessoal de Lula.
A CNB possui as maiores lideranças do PT na atualidade. Também é a tendência de Marinho e de Lula. Na segunda-feira, em São Paulo, representantes da CNB e da Novo Rumo se reuniram para selar apoio a Emídio. A maioria dos presentes disse que a candidatura de Emídio era a única a unificar a legenda em busca da reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) e da primeira vitória petista ao governo de São Paulo.
A movimentação de Marinho em caminho oposto à de Lula ligou o sinal de alerta no petismo nacional. O prefeito de São Bernardo é considerado pupilo político do ex-presidente da República e hoje se tornou um dos principais aliados do ex-chefe da Nação.
Lula já comentou a pessoas próximas a vontade de ver Marinho como candidato do PT ao governo do Estado no ano que vem. Enxerga na candidatura do apadrinhado espaço suficiente de crescimento para surpreender a tentativa de reeleição do governador Geraldo Alckmin (PSDB).
Marinho, por sua vez, sempre afirmou que não trabalha para figurar nas urnas em 2014. A manutenção de Frank Aguiar (PTB) como vice no pleito do ano passado foi sinal do petista aos defensores de sua candidatura que ele não está disposto a deixar o comando do Paço de São Bernardo neste momento.

Imperdivel! Leiam e divulguem.


Sob o título “O ministro iracundo e a audiência sorrateira”, o texto a seguir é de autoria de Gilton Batista Brito, Juiz Federal lotado em Sergipe, ex-Defensor Público Estadual e ex-Advogado da União.
Foi, numa palavra, estarrecedor ver e ouvir o tratamento desrespeitoso dispensado pelo Senhor Ministro Joaquim Barbosa a magistrados em audiência, como amplamente divulgado pela mídia.
Teve de tudo no comportamento do Senhor Ministro: piadinha de mau gosto quanto à sede dos novos tribunais, com nítido intuito de pautar manchetes; manifesta aversão ao desempenho das associações de magistrados, pejorativamente chamadas de sindicais, a indicar intolerância com o diálogo; invocação de argumentos de autoridade, a revelar desprezo pelo pluralismo de idéias; e citação de custos exagerados e discrepantes de documentos oficiais, demonstrando ignorância.
Um misto, portanto, de desinformação, preconceito, autossuficiência e soberba em conduta incompatível com a serenidade, o equilíbrio, a urbanidade e a cortesia exigidos de um Juiz, mais ainda, de um Juiz que preside um alto tribunal e representa o Poder Judiciário.
Tal forma iracunda de proceder é bem verdade não é nova, contabilizando-se vítimas na advocacia, na imprensa e no próprio Supremo Tribunal Federal.
Em realidade quer parecer pelas circunstâncias que a audiência, solicitada há bastante tempo e só agora realizada, foi sorrateiramente urdida para silenciar sobre temas que preocupam os magistrados e censurar publicamente uma demanda debatida seriamente há vários anos na magistratura federal, no Parlamento, no CJF e até no CNJ, pela só discordância de última hora de Sua Excelência.
Tudo indica que a elevada popularidade alcançada como relator de famosa ação penal originária conferiu ao Senhor Ministro no encontro a certeza da condição de ser quase divino, alçado falsamente aos píncaros da glória. Um super-herói onisciente e onipotente, cujos desejos devem ser obedecidos mansamente, sem discussão.
O Senhor Ministro Joaquim Barbosa, contudo, precisa urgentemente entender que ao falar com magistrados não se dirige a capangas, mas, sim, a seus pares.

terça-feira, 9 de abril de 2013

PED (Processo de Eleição Direta ) em São Paulo,


PED (Processo de Eleição Direta ) em São Paulo,



Foi realizada ontem, dia 08 de abril de 2013, na cidade de São Paulo, uma reunião altamente representativa com dirigentes da CNB (Construindo um Novo Brasil), que contou com a presença de representantes da corrente interna Novo Rumo, de vários Deputados Federais e Estaduais; vários Prefeitos da grande São Paulo e do interior do estado; vereadores; dirigentes nacionais e estaduais; e companheiros e companheiras  das macros regiões de Presidente Prudente, Alta Paulista, Araçatuba, Assis, Guarulhos, Itapeva, Noroeste Paulista, Sorocaba, Osasco, Bauru, Vale do Paraíba Jacareí e Campinas. 

Na pauta de discussão, uma analise política relativa ao PT e a situação do partido no estado de São Paulo, no que tange a sua atual organização e as perspectivas do futuro político a médio e longo prazo. Por unanimidade, os presentes manifestaram o seu apoio à candidatura do companheiro Emídio de Souza, ex-prefeito da Cidade de Osasco, à presidência estadual do PT de São Paulo.

Esta tomada de posição reflete um desejo expresso pelos presentes na reunião e a manifestação justificada de vários companheiros e companheiras que por diversas razões não puderam comparecer.

Com todo respeito aos demais postulantes e aos seus apoiadores, a candidatura a presidente estadual do companheiro Emídio de Souza é a que mais atende as necessidades atuais do partido e representa um caminho para a unidade tão desejada pelo PT, e pelo próprio EX-PRESIDENTE LULA.

Conclamo a todos que, seguindo este desejo e a orientação do companheiro Lula, ensejamos esforços no sentido de garantir esta UNIDADE e o êxito do PT para enfrentar os desafios que nos esperam, sobre tudo nas eleições gerais de 2014, onde trabalharemos para reeleger a presidente Dilma Roussef.