Botao share

sexta-feira, 22 de março de 2013

PT avalia que pesquisa favorável a Dilma enfraquece pretensões de Campos



Levantamento CNI/Ibope desta semana mostra desempenho recorde da presidente também no reduto do governador de Pernambuco: 'Voto nordestino é um voto petista e Dilmista'

Por Ricardo Galhardo , iG São Paulo 
O PT avalia que o novo recorde de popularidade da presidente Dilma Rousseff , divulgado empesquisa da CNI/Ibope esta semana , enfraquece as pretensões do governador de Pernambuco,Eduardo Campos (PSB), de se candidatar à Presidência da República. O levantamento mostra Dilma com popularidade em patamar próximo dos 80% e com aprovação de governo superior a 60%. Os números são ainda mais favoráveis à presidente no reduto eleitoral de Campos. No Nordeste, Dilma teve crescimento acima da margem e atingiu 85% de avaliação favorável.
Divulgação/Governo de Pernambuco
Eduardo Campos, governador de Pernambuco, é o provável candidato do PSB em 2014
Para o secretário-geral do PT, Paulo Teixeira, Campos dificilmente será candidato e o PSB deve continuar sendo aliado do PT na eleição presidencial do ano que vem. “A pesquisa demonstra que o voto nordestino é um voto petista e Dilmista. O eleitor do Nordeste não vai entender o Eduardo Campos em oposição à Dilma. Na minha opinião, o Eduardo Campos dificilmente consegue viabilizar a candidatura”, afirmou o petista.
Questionado sobre as movimentações de Campos em São Paulo, onde participou de encontros com empresários e com o ex-governador José Serra, Teixeira afirmou que esses eventos não abalam a relação do PSB com o PT. “O PSB está conosco no governo para fazer mais. Estão dentro do governo. Eles são corresponsáveis pelo governo”, disse em referência à declaração de Campos, que teria dito a empresários de que o governo Dilma poderia fazer mais.
Francisco Rocha, o Rochinha, integrante do diretório nacional e coordenador da maior corrente interna do PT, Construindo um Novo Brasil, lembrou que Campos enfrenta resistências dentro do seu próprio partido, como por exemplo o Ciro Gomes, que fez críticas abertas ao governador de Pernambuco algumas semanas atrás. “A candidatura de Eduardo Campos não tem unidade nem dentro do próprio PSB”, afirmou.
Apesar de dizer que o PT continua tendo boas relações com o PSB, Rochinha criticou a postura pessoal de Eduardo campos nos últimos meses. “Todos sabemos que na política o Eduardo Campos não tem limites”. Ele citou como gestos no mínimo deselegantes as declarações feitas no encontro com empresários aqui em são Paulo e a reação que ele teria tido numa roda de empresários quando Jorge Gerdau criticou o governo Dilma por erros na infraestrutura. “É essa postura de falastrão não ajuda nada”, afirmou o petista.
Rochinha, que é pernambucano e tem contato direto com as questões políticas do Estado também disse que o PSB em muitos casos já age como força auxiliar do PSDB em alguns Estados como Minas Gerais e Paraná. “Em várias localidades, o PSB não é nem sequer auxiliar do PSDB. É uma força de direita mesmo”, afirmou. Ele também ironizou o fato de o Eduardo Campos se aproximar da oposição enquanto o partido dele mantém dois ministérios no governo Dilma. “Se fossem vocês (jornalistas) no lugar dele, vocês se sentiriam à vontade (para fazer críticas)”, questionou o petista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário