Botao share

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

O mínimo chegou a 348 dólares. E a inflação não disparou


A política permanente de valorização do salário mínimo, instituída ainda no primeiro governo Lula, é uma das principais conquistas do povo brasileiro nos últimos anos.

Nunca é demais lembrar que, antes de o PT chegar ao governo federal, a classe trabalhadora lutava para que o mínimo valesse pelo menos 100 dólares. E a direita, então poder, hoje na oposição, argumentava que estabelecer esse valor como referência traria de volta a inflação e quebraria a Previdência. Os 100 dólares poderiam ser atingidos, sim, diziam eles, mas por obra do mercado, não por decreto ou ação governamental.

Com FHC e os tucanos, o mínimo esteve abaixo dos 100 dólares em cinco de seus oito anos de governo. Em 2002, quando foram apeados do poder pelo provo brasileiro, o mínimo valia apenas 64 dólares.

O governo Lula provou que, também nesse quesito, a visão de mundo dos neoliberais estava completamente equivocada. Com a política de valorização, negociada com todas as centrais sindicais, o mínimo ultrapassou os 100 dólares já em 2005 e continuou subindo. Os atuais 662 reais, em vigor desde 1º de janeiro, equivalem a 348 dólares.

Alguns argumentam que a comparação não é válida porque hoje o real estaria “sobrevalorizado” em relação ao dólar. Não é bem assim. Em 1998/99, por exemplo, a sobrevalorização era bem maior. E, no entanto, o mínimo equivalia a apenas 95 dólares.

Isso em falar de outros indicadores extremamente positivos nesse período de nove anos de governos Lula e Dilma, como o aumento real do poder de compra dos trabalhadores e a relação do mínimo com o preço da cesta básica.

Para informações mais detalhadas sobre o assunto, confira aqui a Nota Técnica emitida pelo Dieese no final do ano passado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário