Botao share

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

O povo vai democratizar a mídia

Nos últimos anos tem se falado bastante de uma coisa chamada “democratização dos meios de comunicação”.

A chamada grande imprensa não gosta muito do assunto. É natural. Eles não querem perder o poder que sempre tiveram de decidir sobre os rumos do país – interferindo em decisões políticas e, no extremo, apoiando abertamente golpes contra governos que contrariam seus interesses e dos grupos aos quais estão ligados.

Mas eu acho que – independentemente dos interesses de quem quer que seja – esse poder tende a se esvaziar. É o povo, com a ajuda das novas tecnologias, que vai fazer com que os meios de comunicação se democratizem.

Já está acontecendo. Uma boa parte da sociedade já não se deixa levar por uma manchete de jornal, um comentário no rádio ou uma matéria de TV. Hoje as pessoas vão em busca de mais informações e não se fiam apenas pelo que diz este ou aquele jormal, este ou aquele “formador de opinião”.

Nesse aspecto, a internet vem provocando uma evolução sem tamanho.

É com grande felicidade que vejo acontecer algo que parecia impossível quando eu tinha 16, 17 anos, lá no meu Cariri. Naquela época, não tínhamos acesso a nada. Num intervalo de 40 anos, houve uma reviravolta muito grande, uma profunda mudança nessa questão de informar e ser informado.

Hoje, todos nós, de todas as idades, temos não só acesso à informação diversificada, como também o domínio dos novos meios de comunicação, com os blogs, os sites, o twitter...

Qualquer um – até eu, vejam vocês – tem a possibilidade de expor suas opiniões para milhares de pessoas. É o fim da ditadura do pensamento único, venha ele de onde vier.

Só precisamos cuidar para que o ambiente da internet, tão propício à livre difusão de idéias e pensamentos, não se transforme num espaço de banalidades, agressões e baixarias, como ocorre às vezes.

Nós, petistas e não petistas que acreditamos na democracia, temos de manter o nível elevado. Essa é a melhor contribuição que podemos dar – e acredito que já estamos dando – para que os grandes meios mudem seus procedimentos, no sentido de privilegiarem a informação concreta e verdadeira, com noticiário isento e entretenimento saudável.

Informar é dar a notícia com imparcialidade e deixar que a pessoa reflita sobre ela, pense, decida, tome posição. Infelizmente, vários veículos não tem essa parcimônia. Mas o comportamento da própria população, com acesso cada vez maior a várias fontes de informação, vai levar esses meios a reverem seus métodos.

Não tenho dúvida: ou eles fazem isso no médio prazo, ou ficarão para traz na História.

Nenhum comentário:

Postar um comentário